Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Oposição no Egito convoca grande protesto contra Mubarak

Internacional

Egito

Oposição no Egito convoca grande protesto contra Mubarak

por Opera Mundi — publicado 31/01/2011 09h30, última modificação 02/02/2011 12h41
Manifestação deve acontecer nesta terça-feira dia 1º. A concentração deverá ocorrer na praça Tahrir, epicentro dos protestos, mas não se descarta que haja outros locais
Oposição no Egito convoca grande protesto contra Mubarak

Manifestação deve acontecer nesta terça-feira dia 1º. A concentração deverá ocorrer na praça Tahrir, epicentro dos protestos, mas não se descarta que haja outros locais. Do Opera Mundi. Foto: Miguel Medina/AFP

Os opositores do presidente egípcio, Hosni Mubarak, anunciaram um grande protesto para esta terça-feira dia 1º. Helicópteros sobrevoavam o Cairo nesta manhã, um dia depois de caças voarem baixo pela praça Tahrir, local do início das manifestações. Tropas e tanques continuam nas ruas da cidade e a polícia nacional voltou a patrulhar o Cairo.

"Queremos fazer com que seja como um carnaval, com músicas, poesias e espetáculos, tudo centrado em pedir a renúncia de Hosni Mubarak", disse à Efe o porta-voz do Movimento 6 de Abril, o grupo de oposição que iniciou os protestos.

A concentração ocorrerá a partir das 12h no horário local (8h de Brasília) na praça Tahrir, epicentro dos protestos, mas não descartam que haja outros locais com concentrações de egípcios com o mesmo propósito. O Movimento 6 de Abril e os outros grupos de jovens que apóiam esta organização realizarão nas próximas horas uma reunião para preparar os atos desta terça e redigir um comunicado.

O porta-voz desmentiu que nesta segunda-feira 31 especificamente estivesse convocada uma greve geral, como divulgaram alguns meios de comunicação, e assinalou que esse pedido está vigente desde o início dos protestos populares, na terça-feira passada.

A Irmandade Muçulmanda, a maior força da oposição no Egito, rejeitou nesta segunda-feira manter qualquer diálogo com o novo primeiro-ministro, general Ahmed Shafiq, e criticou o presidente Mubarak por tê-lo proposto na véspera.

"Ahmed Shafiq e Omar Suleiman (vice-presidente) são pilares do regime e partícipes da injustiça e da corrupção, e a partir de suas mãos nunca conseguiremos reformas, tampouco a democracia", declarou à Agência Efe um dos dirigentes do grupo, Mahmoud Ghazali.

No domingo à noite, Mubarak encarregou Shafiq, premiê desde sábado, que dialogue com a oposição e promova a democracia no país, como informou a televisão pública. "Só queremos dialogar com o exército, o único em que confiamos, para chegar a um acordo sobre a transferência do poder de maneira pacífica", acrescentou.

O dirigente da Irmandade Muçulmana insistiu em que o único pedido do povo continua sendo derrubar o regime e que em caso de Mubarak não deixar a Presidência, os cidadãos permanecerão nas ruas.

* Matéria publicada originalmente no Opera Mundi

registrado em: , ,