Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Oposição boliviana critica decisão que permite duas reeleições consecutivas a Morales

Internacional

América do Sul

Oposição boliviana critica decisão que permite duas reeleições consecutivas a Morales

por AFP — publicado 01/05/2013 12h30, última modificação 01/05/2013 12h38
Tribunal Constitucional da Bolívia decide em favor da candidatura de Evo Morales para seu terceiro mandato como presidente e gera críticas da oposição
Evo Morales

O presidente Evo Morales em entrevista coletiva. Foto: ©afp.com / Aizar Raldes

LA PAZ (AFP) - A decisão do Tribunal Constitucional (TC) da Bolívia em permitir a reeleição consecutiva do presidente Evo Morales gerou críticas na oposição, na terça-feira 30. Ao mesmo tempo, porém, os oposicionistas anunciaram sua disposição em enfrentar o atual presidente nas urnas.

Samuel Doria Medina, líder da Unidade Nacional (UN, centro-direita), denunciou que o TC "se coloca à margem das leis permitindo uma reeleição" e lembrou que Morales em 2008 anunciou que não disputaria um novo mandato.

Ante "a proposta apresentada (..) para duas reeleições consecutivas eu rejeitei pela unidade do país", porque "eu não sou ambicioso", declarou Morales em outubro de 2008 em um ato público em La Paz.

A oposição acredita que um terceiro mandato é proibido pela Constituição, mas o TC indicou em sua decisão que não há "nenhuma contradição" com a Magna Carta. A decisão deste corpo é definitiva.

Juan del Granado, ex-aliado de Evo e líder do Movimento Sem Medo (MSM, social-democrata) considerou que esta decisão tiraria "a credibilidade do Tribunal Constitucional", mas confirmou que rivalizaria com o presidente nas urnas. "Enfrentaremos o candidato Evo Morales inconstitucional e ilegítimo, como somos, sem medo", declarou Del Granado à imprensa local.

Morales foi eleito em 2005 para o período de 2006-2011, mas interrompeu o mandato para concorrer à presidência em 2009 para o período 2010-2015, à luz da Constituição recém-aprovada, que deixou de lado a República e criou um estado plurinacional.

Essa mesma Constituição, de acordo com a decisão do TC, não permite uma nova candidatura para a gestão 2015-2020.

Pesquisas. O debate sobre a reeleição surgiu em fevereiro passado, coincidindo com uma pesquisa do jornal Página Sete que revelou que "54% da população está de acordo com uma nova candidatura de Evo Morales."

Mas uma pesquisa feita pelo jornal El Deber, revelou neste domingo que "41% dos eleitores votariam em Evo Morales, enquanto 53% não o faria, se as eleições fossem realizadas hoje".

A mesma pesquisa afirma que Doria Medina "é o mais cotado para a disputa", mas "representa apenas 17% das preferências".

Leia mais em AFP Movel.

registrado em: , ,