Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Obama se compromete a impedir agravamento da guerra cambial

Internacional

Reunião G20

Obama se compromete a impedir agravamento da guerra cambial

por Opera Mundi — publicado 12/11/2010 15h17, última modificação 12/11/2010 16h26
Taxas de câmbio devem refletir as realidades econômicas, diz presidente dos Estados Unidos

Do Opera Mundi

Taxas de câmbio devem refletir as realidades econômicas, diz presidente dos Estados Unidos

Em entrevista coletiva concedida no encerramento da Cúpula do G20 em Seul, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou nesta sexta-feira (12/11) que as taxas de câmbio devem refletir as realidades econômicas. Obama disse que o iuane "está abaixo de seu valor", o que representa um fator "irritante não só para os EUA, mas também para muitos dos parceiros comerciais da China em todo o mundo".

Segundo o presidente, a China "gasta muito dinheiro para manter sua moeda subvalorizada", e deverá, "de modo gradual, fazer uma transição ao valor de mercado".

O compromisso de Obama foi feito e os EUA devem atuar de forma diferenciada, segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

“O presidente Obama declarou que os EUA estarão trabalhando para a recuperação da economia e disse que os países que têm moeda de reserva têm de se portar de maneira diferenciada. Todo mundo assumiu responsabilidades. Acho que dá para ter uma cautela maior”, disse o ministro brasileiro.

De acordo com o ministro, a partir do momento em que houve o compromisso coletivo, não pode ocorrer o rompimento de um dos governos. “[Por exemplo], a Alemanha, que assinou o documento, não poderá chegar amanhã e dizer que simplesmente não fez nada. Vai ter de fazer alguma coisa”, disse.

Mantega explicou que todos os países se comprometeram a tomar medidas “macroprudenciais” para evitar o agravamento de eventuais crises. Mas, segundo ele, essas medidas só poderão ser adotadas pelos países emergentes. Nesta cúpula das economias mais importantes do mundo, os líderes fizeram um apelo para que os países "se abstenham" de praticar desvalorizações competitivas de suas moedas, origem da chamada "guerra de divisas" das últimas semanas.

O comunicado do G20 considera que "as moedas devem refletir os fundamentos do mercado. "É a melhor maneira de garantir que todos nos beneficiemos" do crescimento econômico, sustentou Obama.

Obama afirmou que, embora o pior da crise econômica já tenha passado, o crescimento não progride o suficiente, especialmente nos EUA, onde a criação de empregos não consegue decolar.

No comunicado, o G20 estabelece um plano de medidas que devem ser iniciadas nos próximos meses para que haja um "crescimento sustentado e equilibrado".Um dos desequilíbrios que devem ser combatidos é o da balança comercial e por conta corrente. Os países emergentes, que crescem com força, estão consumindo e investindo muito menos do que produzem e gastam. Por outro lado, os países desenvolvidos crescem com timidez e consomem muito mais do que produzem.

No meio desta situação, países como os EUA pediram aos emergentes, e especialmente à China, que potencializem sua demanda interna para não depender tanto das exportações.

Neste contexto, o G20 se compromete a criar, em 2011, "guias indicativos" que medirão o nível de desequilíbrio nas balanças por conta corrente dos países.Se esses guias determinarem que o desequilíbrio chega a níveis perigosos, os países teriam que tomar medidas urgentes.

O FMI (Fundo Monetário Internacional) dará apoio à vigilância destes indicadores. Inicialmente, os EUA queriam um limite de 4% para os superávits e déficits por conta corrente, proposta que foi rapidamente abandonada.

* Com agências