Você está aqui: Página Inicial / Internacional / O papa vai a Havana

Internacional

Política e religião

O papa vai a Havana

por Wálter Maierovitch publicado 25/03/2012 08h18, última modificação 25/03/2012 08h18
Ratzinger chega a Cuba na segunda e especula-se se irá receber dissidentes

O papa Ratzinger chega a Cuba na próxima segunda feira.

No momento, o pontífice está no México e apresenta um discurso contra a “idolatria do dinheiro”, numa referência aos chefões e aos envolvidos com o tráfico de drogas proibidas pelas Convenções das Nações Unidas.

Em Cuba, na terça 27, o papa Bento XVI rezará uma missa na praça da Revolução. Será no mesmo lugar onde, em 25 de janeiro de 1998, o então papa Wojtyla celebrou, para usar um termo católico, a “santa missa”.

Comparadas as viagens dos papas Wojtyla e Ratzinger, haverá uma grande novidade nessa Ilha, de onde, pela revolução armada, expulsou-se o corrupto ditador Fulgêncio Batista, eliminou-se a selvagem influência imperialista imposta pelos EUA e mergulhou-se na utopia comunista, com gravíssimas violações aos direitos humanos.

A novidade ficará por conta do encontro de Ratzinger com Fidel Castro, aposentado, mas ainda símbolo vivo de um sistema que, por incrível que possa parecer, tornou-se uma pedra no sapato dos governos presidenciais norte-americanos. E o embargo comercial à Ilha caribenha continua em vigor e Ratzinger vai engrossar a lista dos que pedem o seu término.

A grande questão é se o papa Ratzinger vai ou não encontrar os dissidentes, em especial com as chamadas “Damas de Branco”.

Lula silenciou e um dissidente em greve de fome morreu. Dilma permaneceu muda, com base na regra da autodeterminação. FHC, quanto a Cuba, fez tudo o que seu rei mandava, ou melhor, endossava as posições de Bill Clinton, então presidente dos EUA.

Pano rápido. O discurso de Ratzinger, para Cuba, será sutil e o pontífice irá falar em ajuda na transição e no diálogo construtivo em face de a Igreja estar do lado da liberdade.

registrado em: