Você está aqui: Página Inicial / Internacional / O governo do Chile é um perigo para a região, afirma Evo Morales

Internacional

América do Sul

O governo do Chile é um perigo para a região, afirma Evo Morales

por AFP — publicado 03/10/2012 10h36, última modificação 03/10/2012 10h37
Presidente disse que autoridades chilenas tem a mentalidade de invadir e ameaçar, em alusão à negação do país vizinho em ceder à Bolívia o acesso ao mar perdido na Guerra do Pacífico
Evo

O presidente da Bolívia, Evo Morales, fala com a imprensa em 1º de outubro em Lima. Foto: ©AFP / Ernesto Benavides

LIMA (AFP) - O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou na noite de segunda-feira 1, em Lima, que o Chile é uma ameaça não apenas para a Bolívia como também para o Peru e toda a região, ao referir-se a seu colega chileno, Sebastián Piñera. O presidente chileno se opõe ao pedido boliviano de acesso soberano ao mar, perdido pela Bolívia na Guerra do Pacífico ante o Chile.

"O governo do Chile não apenas é uma ameaça para a Bolívia, como também para o Peru. O Chile é um perigo para a região", enfatizou Morales falando à imprensa na capital peruana, onde participa na III Cúpula de Chefes de Estado e de Governo da América do Sul e Países Árabes.

"Não posso entender que algumas autoridades (do Chile) tenham esta mentalidade de invadir, ameaçar, quando estamos em outros tempos, não estamos em tempos de colonialismo; ameaçar com força é ameaçar a vida, as nações, é uma ameaça contra os direitos", acrescentou.

Piñera disse na quinta-feira 27, em Santiago que, como presidente, "vai fazer com que sejam respeitados os tratados que o Chile assinou e vai defender com toda a força do mundo nosso território, nosso mar, nosso céu e nossa soberania".

O presidente chileno respondeu assim a Morales, que, na sede das Nações Unidas, pediu a revisão de um tratado assinado entre os dois países em 1904 que pôs fim à Guerra do Pacífico (1879-1883), na qual a Bolívia perdeu todo seus litoral de 400 km. A Bolívia exige acesso soberano ao litoral, o que o Chile rejeita.

Leia mais em AFP Móvil