Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Netanyahu anuncia governo de união

Internacional

Israel

Netanyahu anuncia governo de união

por AFP — publicado 08/05/2012 09h56, última modificação 08/05/2012 09h56
O premier e o líder opositor Mofaz surpreendem ao anunciar uma coalizão para evitar pleito antecipado
Netanyahu_governo de uniao

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu surpreendeu ao anunciar o acordo com o partido Kadima ©AFP / Gali Tibbon

Por Philippe Agret

JERUSALÉM (AFP) - O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e o líder opositor Shaul Mofaz provocaram uma enorme surpresa ao anunciar um acordo de união que permite evitar as eleições antecipadas e constitui a maior coalizão de governo na história de Israel.

"A união restabelece a estabilidade. Um amplo governo de união nacional é bom para a segurança, a economia e o povo de Israel", explicou Netanyahu em uma conversa por telefone com o presidente israelense, Shimon Peres, que está em uma visita ao Canadá.

Seis semanas depois de ter assumido a direção do partido de centro Kadima, Mofaz se uniu à coalizão de direita de Netanyahu, que por sua vez desistiu de convocar eleições legislativas para setembro.

Mofaz e Netanyahu negociaram o acordo em sigilo, enquanto o Knesset (Parlamento) se preparava para votar a própria dissolução ante a perspectiva de eleições.

Com o acordo, Netanyahu renunciou às eleições e Mofaz deve ser anunciado como vice-premier e ministro sem pasta. Mofaz deverá prestar juramento ao Knesset na quarta-feira.

Nenhuma outra personalidade do Kadima entrará para o governo, mas diversos dirigentes deverão obter cargos importantes, em especial na poderosa comissão parlamentar de Assuntos Estrangeiros e de Defesa, assim como na comissão de Assuntos Econômicos.

Os dois dirigentes também concordaram que um novo texto mais igualitário substituirá a controversa "lei Tal", que exime do serviço militar os judeus religiosos ortodoxos. Mofaz, um ex-general, defende uma alteração na lei, proposta rejeitada pelos partidos laicos.

O acordo entre Netanyahu e Mofaz prevê a retomada do processo de paz com os palestinos e garante o voto favorável ao orçamento nacional para o próximo ano fiscal.

Este entendimento ainda deverá ser aprovado pelo Knesset e permitirá a Netanyahu ter a maioria esmagadora de 94 deputados sobre 120.

Mofaz, que havia jurado que nunca se uniria ao governo de um "mentiroso", se comprometeu a permanecer na coalizão até o fim da legislatura, em outubro de 2013.

Este anúncio praticamente teatral havia sido cuidadosamente preparado e desatou a fúria da minoritária oposição de esquerda.

Para Shelly Yachimovich, nova líder trabalhista, este é um "pacto de covardes". Também disse que este é o "mais ridículo zigue-zague na história política israelense".

Na manhã de segunda-feira, Netanyahu havia confirmado durante o Conselho de Ministros que desejava organizar eleições antecipadas em 4 de setembro.

Na véspera, o primeiro-ministro antecipara que desejava formar após as eleições "um governo tão amplo quanto possível para assegurar o futuro de Israel".

Quase metade (48%) dos israelenses consideram Netanyahu o melhor candidato, enquanto seu partido, o Likud, aspirava conquistar 31 cadeiras no Parlamento.

O partido Kadima, a principal força de Israel com 28 deputados, está em queda livre. As pesquisas previam, na melhor das hipóteses, a eleição de 12 legisladores.

Aos olhos de seu partido, Mofaz, 63 anos, é visto como um "salvador", apesar de passar a ser o líder da mais efêmera oposição da história do país.

Mofaz, nascido no Irã e ex-integrante do Likud, ex-comandante do Estado-Maior e ex-ministro da Defesa, construiu uma sólida reputação de homem movido pelas ambições pessoais, mais que por ideologia.

Seus simpatizantes destacam a rica experiência militar, que pode ser extremamente útil a Israel, no momento em que Netanyahu considera que o programa nuclear iraniano é uma ameaça à existência de Israel.

 

registrado em: