Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Média anual de sequestros no México é superior a 20 mil

Internacional

Corrupção

Média anual de sequestros no México é superior a 20 mil

por Wálter Maierovitch publicado 10/02/2011 16h48, última modificação 10/02/2011 17h11
Conheça a tabela de pagamento de resgate. Exército anunciou a libertação de 47 sequestrados. Artigo originalmente publicado no Terra Magazine
Média anual de sequestros no México é superior a 20 mil

Conheça a tabela de pagamento de resgate. Exército anunciou a libertação de 47 sequestrados. Por Wálter Maierovitch, originalmente publicado no Terra Magazine

1.Emiliano Zapata e Pancho Villa devem se agitar nas tumbas com a War on Drugs deflagrada pelo presidente Felipe Calderón.
Os dois protagonistas da revolução mexicana do início do século passado sabem que as pequenas batalhas vencidas pelo Exército não são capazes de reverter o quadro que dá ampla vantagem aos cartéis. E o quadro não mudará nem com a ajuda do comandante Marcos, que já perdeu o brilho depois de ter dado vida, no Chiapas, a uma admirável  rede solidariedade social, usando uma motocicleta como escritório.

O Exército mexicano acaba de emitir nota sobre a libertação de 47 pessoas sequestradas: três mexicanos e 47 guatemaltecos. Elas foram localizadas e libertadas na cidade Reynosa, no estado de Tamaulipas.
Para fim de extorsão pecuniária, 20 mil pessoas são sequestradas por ano no México.
O dado oficial foi puxado para baixo. Muitas vezes as famílias acertam diretamente com os sequestradores sem avisar as autoridades. E não avisam porque a polícia mexicana está entre as mais corruptas do planeta.
Existe até uma tabela de preços para pagamento do resgate que varia de US$ 5 mil a US$ 15 mil.
O pagamento do resgate tem de ser realizado com rapidez e os sequestradores não usam cativeiros fixos. Os narcos, para evitar surpresas,  não deixam as vítimas mais de duas horas no mesmo lugar. A existência de uma polícia corrupta facilita a movimentação.    

 2. O presidente Felipe Calderón militarizou o combate às drogas e aos cartéis.
O resultado dessa aventura é trágico: mais de 30 mil mortes. E a maioria das vítimas, cerca de 70%, sem qualquer vínculo com organizações criminosas.
Os cartéis, há anos, vencem a War on Drugs.
Além da intensificação do tráfico para cobrir as despesas da guerra deflagrada por Calderón, os cartéis buscaram no sequestro de pessoas uma fonte extra de arrecadação.
PANO RÁPIDO. Como noticiamos neste blog Sem Fronteiras de Terra Magazine, a secretária de Estado Hillary Clinton esteve há poucos dias no México. Ela disse admirar e apoiar a luta de Calderón contra as drogas e os cartéis.
Na verdade, e o WikiLeaks está aí para confirmar, o governo Barack Obama considera um fracasso  a War on Drugs de Caderón, iniciada por pressão e com dinheiro do então presidente George W. Bush, o inventor do Plan Mérida para o México, uma adaptação do Plan Colômbia, de retumbante fracasso.
Apenas interesses geopolíticos e geoestratégicos fizeram o governo norte-americano mudar o discurso e explicitar apoio a Calderón.
Como se sabe, a oposição está forte e pode vencer a eleição presidencial.
A propósito, a eleição de Calderón foi uma grande surpresa, pois o favorito era o esquerdista López Obrador.
A atmosfera mexicana ainda está impregnada por forte odor de fraude eleitoral.

* Matéria originalmente publicada no Terra Magazine

registrado em: