Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Itália não precisará de novo plano de austeridade mesmo que a recessão continue

Internacional

Crise financeira

Itália não precisará de novo plano de austeridade mesmo que a recessão continue

por AFP — publicado 20/02/2012 11h07, última modificação 20/02/2012 11h07
Segundo o premier italiano, os 20 bilhões de euros do atual pacote devem permitir o país cumprir com sua meta orçamentária de 2013
mario monti afp

Segundo Mario Monti, o plano de rigor de 20 bilhões de euros deve permitir à Itália cumprir com sua meta orçamentária de 2013. Foto: AFP

MILÃO (AFP) - O chefe do governo italiano, Mario Monti, afirmou nesta segunda-feira 20, ante a comunidade financeira italiana reunida na Bolsa de Milão (norte), que a Itália não precisará de um novo plano de austeridade mesmo que a recessão em seu país continue.

"Mesmo que a recessão persista e a situação da economia real não melhore (...) não, não precisaremos de outro plano de austeridade porque já incorporamos margens de prudência" no último plano draconiano adotado em dezembro, declarou Monti.

Segundo Monti, este plano de rigor - de cerca de 20 bilhões de euros - deve permitir à Itália cumprir com sua meta orçamentária de 2013.

"Temos sido prudentes", disse Monti, uma vez que as hipóteses de crescimento para os próximos anos que figuram neste plano são "muito modestas", com taxas de empréstimo "muito altas", que na verdade já diminuíram desde o acordo.

O governo, por outro lado, não incluiu na soma do plano um só euro procedente da luta contra a evasão fiscal que tem sido reforçada fortemente.

Sob o peso de outros planos de austeridade que têm se multiplicado desde 2010, a Itália entrou em recessão ao final de 2011, com seu PIB retrocedendo 0,7% no quarto trimestre após uma queda de 0,2% no terceiro trimestre, segundo estatísticas oficiais publicadas na quarta-feira passada.

Para este ano, o governo italiano prevê uma contração do PIB de 0,4%, mas o Banco da Itália é muito mais pessimista e aposta em uma queda entre 1,2% e 1,5%, enquanto que o FMI prevê uma contração de 2,2% para o mesmo período.

registrado em: