Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Israel presta homenagem a Ariel Sharon

Internacional

Memória

Israel presta homenagem a Ariel Sharon

por AFP — publicado 12/01/2014 12h57
Ex-premier, um dos fundadores do país, morreu no sábado após oito anos em coma. Ele tinha 85 anos
Menahem Kahana / AFP
Ariel Sharon

Militares israelenses prestam homenagem a Ariel Sharon

Jerusalém (AFP) - Os israelenses prestam neste domingo12 uma última homenagem ao seu ex-primeiro-ministro Ariel Sharon, um dos fundadores do Estado de Israel que inspirou, ao mesmo tempo, admiração e rejeição. Sua morte após oito anos em coma gerou, entretanto, reações emotivas em todo o país.

Sharon, considerado um herói militar em Israel, reconhecido no exterior como um político pragmático, mas odiado como um criminoso de guerra pelos palestinos e pelo mundo árabe, foi uma personalidade que despertou sentimentos contraditórios.

No entanto, os israelenses de todas as tendências reconhecem que o corpulento militar e político de 85 anos foi um personagem chave na história do país. Sua morte no sábado deixou o presidente Shimon Peres como o único sobrevivente entre os pais fundadores do Estado hebreu.

Antes de seu funeral, previsto para segunda-feira, o caixão de Sharon saiu neste domingo da base militar de Tzrifin em direção a Jerusalém para ser exibido no Knesset (Parlamento unicameral), onde o público terá a chance de se despedir de seu ex-líder.

Flanqueado por uma guarda de honra parlamentar, o caixão coberto com a bandeira de Israel foi colocado sobre um pedestal de mármore preto com diversas coroas de flores fixadas na base.

Na primeira meia hora, um constante fluxo de pessoas passavam pelo caixão em um silêncio respeitoso, a maioria delas de meia-idade ou idosas. Não houve exposição aberta de luto.

Na tarde de segunda-feira Sharon será enterrado em sua fazenda no deserto de Neguev (sul) após uma cerimônia militar.

Sharon estava em coma desde 4 de janeiro de 2006 devido a um derrame cerebral.

Líderes de todo o mundo enviaram mensagens de condolências. É esperada a chegada do vice-presidente Joe Biden, que representará os Estados Unidos em uma cerimônia especial no Knesset na manhã de segunda-feira.

Também anunciaram sua presença o ministro das Relações Exteriores alemão, Frank-Walter Steinmeier, o primeiro-ministro tcheco, Jiri Rusnok, e o emissário do Quarteto para o Oriente Médio, Tony Blair, assim como diplomatas de Espanha, Rússia e Canadá.

De implacável chefe militar a político pragmático

Houve uma época em que Sharon era reconhecido principalmente como um impiedoso líder militar que combateu nas principais guerras de Israel, antes de se dedicar à política a partir de 1973 e promover o desenvolvimento das colônias judaicas nos territórios palestinos ocupados.

Durante muito tempo foi considerado um pária por sua responsabilidade pessoal, mas indireta, nos massacres de centenas de palestinos pelos falangistas libaneses aliados de Israel nos campos de refugiados de Sabra e Shatila, em Beirute, em 1982.

"Foi um buldôzer na guerra e na paz", afirmou o jornal de língua inglesa Jerusalem Post, descrevendo-o como "talvez o mais venerado e frequentemente vilipendiado dos políticos do país, considerado alternativamente como um pacificador e um belicista".

Até Gideon Levy, um dos principais críticos de Sharon, o elogiou. "Foi, sem dúvida alguma, um dos políticos mais valentes de Israel. Foi um líder que usou a força bruta mais do que ninguém para realizar sua política. Mas também foi um dos que reconheceram os limites da força", escreveu no jornal Haaretz, uma publicação de esquerda.

O Haaretz destaca que a saída unilateral de Gaza e a expulsão deste enclave palestino de mais de 8.000 colonos israelenses "constituem sua herança política e criaram um precedente importante, demonstrando que as colônias não são eternas".

O jornal Maariv (centro-direita) publica um famoso retrato de Sharon levando sobre um ombro um cordeiro em sua fazenda, próxima à Faixa de Gaza, onde será enterrado na segunda-feira junto a sua segunda esposa, Lily. "Foi um gênio generoso e cruel ao mesmo tempo", escreve neste jornal Shalom Yerushalmi. "Da mesma forma que era duro consigo mesmo, em particular nos campos de batalha, manifestava desprezo por seus opositores", destaca.

Já o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, convocou Israel a se basear no legado de pragmatismo de Sharon para alcançar um Estado palestino viável.

A notícia da morte de Sharon provocou comemorações na Faixa de Gaza, onde o Hamas, no poder, afirmou que era um momento histórico que marcava o "desaparecimento de um criminoso cujas mãos estavam cobertas de sangue palestino".

Leia mais em AFP Movel.

registrado em: ,