Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Israel denuncia na ONU tanques sírios nas Colinas de Golã

Internacional

Oriente Médio

Israel denuncia na ONU tanques sírios nas Colinas de Golã

por AFP — publicado 03/11/2012 16h26, última modificação 06/06/2015 19h23
Guerra civil na Síria se aproxima da área desmilitarizada na fronteira com territórios israelenses

JERUSALÉM (AFP) - O Exército israelense apresentou uma denúncia na ONU após três tanques sírios entrarem na manhã deste sábado 3 nas Colinas de Golã, região desmilitarizada entre os dois países.

Uma porta-voz militar afirmou à AFP que o incidente ocorreu próximo às posições israelenses no Golã. "Não sei a que distância, mas não muito perto da fronteira", disse.

Segundo a mídia israelense, os tanques entraram na cidade síria de Beer Ajam, a sudeste de Quneitra, para combater os rebeldes que lutam contra o regime do presidente Bashar al Assad.

De acordo com a rádio pública israelense, o exército elevou seu nível de alerta após o incidente, mas a porta-voz militar se negou a comentar esta informação.

           

A Síria está oficialmente em estado de guerra com Israel, que arrebatou do país durante a guerra dos Seis Dias, em junho de 1967, grande parte das Colinas de Golã.

Desde que os dois países chegaram a um acordo, em 1974, 1,2 mil membros não armados da Força das Nações Unidas de Observação da Separação (FNUOS) patrulham a zona desmilitarizada, com largura de 3 a 6 quilômetros.

Em julho, o Estado hebreu tinha interposto uma demanda ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, para denunciar a infiltração de soldados sírios na área. E, no final de setembro, o exército israelense recorreu à FNUOS depois que as Colinas foram alcançadas por um obus de morteiro aparentemente disparado durante combates entre o exército e rebeldes sírios.

O conflito na Síria teve início em março de 2011, deixando mais de 36 mil mortos, segundo dados de organizações internacionais.