Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Hong Kong volta à normalidade com manifestantes exaustos

Internacional

China

Hong Kong volta à normalidade com manifestantes exaustos

por AFP — publicado 06/10/2014 17h10, última modificação 06/10/2014 17h57
Desde o dia 28 de setembro, protestos exigiam mais liberdades políticas; país atravessa a pior crise política desde 1997
XAUME OLLEROS/AFP
Protestos na China

Depois de uma semana, manifestantes sentam-se com guarda-chuvas no distrito de Mongkok com seus icônicos guarda-chuvas

Manifestantes pró-democracia em número claramente reduzido eram pressionados nesta segunda-feira, 6, pela opinião pública em Hong Kong para acabar com o movimento que paralisa a cidade desde o último dia 28 de setembro para exigir mais liberdades políticas.

A ex-colônia britânica sob tutela de Pequim retornava à normalidade, com a volta ao trabalho de um grande número de moradores, a reabertura de muitas escolas e o fim do bloqueio da sede do governo, onde 3.000 funcionários puderam retornar a seus postos.

Nos locais em que dezenas de milhares de manifestantes se reuniam, a mobilização foi bastante reduzida.

Mas as linhas de ônibus continuam sendo desviadas por causa das barreiras em algumas ruas. O tráfego era lento e o metrô estava lotado, provocando grande desconforto aos usuários.

Os líderes estudantis, que lançaram o movimento, garantiram que a mobilização vai continuar até que o governo aceite suas condições para o diálogo.

"Colocamos toda a nossa energia para as negociações, para que os alunos estejam em pé de igualdade com o governo", declarou Alex Chow à AFP.

O chefe do Executivo de Hong Kong, Leung Chun-ying, fez um novo apelo à dispersão o "o mais rápido possível", especialmente no bairro comercial de Mongkok, em frente à ilha de Hong Kong, no continente, um dos três locais ocupados pelos manifestantes.

Leung se declarou disposto a "tomar todas as medidas necessárias para restabelecer a ordem pública", mas não ameaçou os manifestantes com uma ação policial.

O movimento pró-democracia recebeu amplo apoio público, mas depois de oito dias de paralisia o descontentamento era crescente, especialmente entre os comerciantes.

Um simpósio que deveria reunir 11 Prêmios Nobel a partir de quarta-feira foi cancelado "devido às perturbações persistentes", segundo os organizadores.

Entre os que permaneciam nas ruas, o alívio de não terem sido expulsos pela polícia disputava com a exaustão.

"É bom que nada aconteceu (com a polícia), eu esperava que algo acontecesse para que terminasse mais rapidamente", admitiu Otto Ng Chun-pulmão, de 20 anos, um estudante de sociologia.

"Todo mundo está esgotado".

Alguns, no entanto, pareciam dispostos a permanecer nas ruas, enquanto outros prometiam voltar.

"Vamos ficar aqui até que o governo nos ouça", declarou Jurkin Wong, um estudante de 20 anos, perto de uma enorme estátua de madeira de um homem com guarda-chuva, acessório que se tornou o emblema do movimento agora conhecido como a "revolução dos guarda-chuvas".

Hong Kong atravessa a pior crise política desde a devolução à China em 1997

Apesar de a China concordar em estabelecer o sufrágio universal na próxima eleição ao Executivo do território autônomo em 2017, pretende manter o controle das candidaturas, uma proposta inaceitável para o movimento pró-democracia.

Professores universitários chamaram seus alunos a deixar as ruas no domingo, enquanto vários manifestantes consideravam que era hora de fazer uma retirada tática.

"Mesmo aqueles que apoiam o movimento não querem perder dinheiro", ressaltou o analista político Willy Lam.

"Acredito que é prudente reduzir (a ocupação), porque seria difícil convencer o público de que o bloqueio permitiria obter resultados."

"Se as negociações entre as autoridades e o governo forem completamente estéreis", e o vice-presidente chinês Xi Jinping se recusar "a fazer qualquer concessão, será sempre possível retomar o movimento", disse à AFP.

O Banco Mundial disse temer consequências negativas sobre a economia de Hong Kong e de forma mais geral sobre a chinesa, cuja magnitude dependerá da duração do período de "incerteza".

registrado em: , ,