Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Funeral de Chávez reúne 54 chefes de Estado

Internacional

Venezuela

Funeral de Chávez reúne 54 chefes de Estado

por AFP — publicado 08/03/2013 17h30, última modificação 08/03/2013 18h22
Os Estados Unidos, considerados um adversário por Caracas, participam com uma delegação de baixo escalão

CARACAS (AFP) - O funeral de Estado do presidente Hugo Chávez aconteceu nesta sexta-feira 8 na Academia Militar de Caracas na presença de delegações de 54 países, incluindo a maioria dos líderes da América Latina e do Caribe, em uma homenagem solene ao presidente que governou a Venezuela por 14 anos.

Com o caixão fechado e coberto com a bandeira venezuelana, o funeral teve início com a leitura dos nomes de todos os presidentes presentes, cuja lista foi iniciada com o cubano Raúl Castro, que, junto ao seu irmão Fidel, foi um grande aliado do falecido presidente.

Em seguida, começou a tocar o hino nacional sob a regência do famoso maestro venezuelano Gustavo Dudamel, diretor da filarmônica de Los Angeles. Na primeira fila estavam a mãe de Chávez, Elena Frías, e outros familiares vestidos de preto.

O presidente interino Nicolás Maduro se aproximou do caixão e pegou uma réplica dourada da espada de Simón Bolívar, colocando-a sobre o caixão de Chávez, que se considerou protagonista de uma segunda independência da Venezuela. "Alerta, alerta que caminha a espada de Bolívar pela América Latina", lançaram os presentes, um lema histórico que os chavistas já mudaram para "Alerta, alerta, alerta que o coração de Chávez caminha pela América Latina".

Os líderes mundiais, começando pelos latino-americanos, se aproximaram por grupos e formaram guardas de honra em silêncio, intercaladas por aplausos.

Os controversos presidentes do Irã, Mahmud Ahmadinejad, inimigo jurado das potências ocidentais, e de Belarus, Alexander Lukashenko, alvo de sanções por parte dos Estados Unidos e da União Europeia, formaram juntos uma guarda.

O corpo de Chávez não será sepultado, e sim exibido por mais seis dias, diante da enorme afluência de venezuelanos à capela ardente na Academia Militar, e será embalsamado para repousar em um museu de Caracas, instalado no que foi seu quartel-geral no frustrado golpe de Estado de 1992.

Todos os presidentes latino-americanos, com exceção do paraguaio Federico Franco, excluído dos organismos regionais, chegaram a Caracas para participar das homenagens a Chávez.

No entanto, a presidenta argentina, Cristina Kirchner, que chegou poucas horas após o anúncio de sua morte, e Dilma Rousseff, que esteve durante a noite na capela ardente, partiram antes do início da cerimônia. "O presidente Chávez foi símbolo de todos os que buscam justiça, o amor e a paz no mundo", disse ao chegar a Caracas o presidente iraniano, que compartilhou com Chávez sua inimizade com Washington e que recebeu apoio do venezuelano para seu programa nuclear.

Os Estados Unidos, considerados um adversário por Caracas, participam com uma delegação de baixo escalão. Os dois países retiraram seus embaixadores em uma das muitas controvérsias que marcaram os quatorze anos (1999-2013) de governo de Chávez.

A Espanha está representada pelo herdeiro da Coroa, Felipe de Borbón, que foi alvo de uma vaia quando, ao chegar, seu nome foi anunciado aos milhares de venezuelanos que se amontoam nos arredores da Academia Militar, também está presente o ator americano Sean Penn, grande admirador de Chávez.

Maduro na presidência

Após o funeral, às 19 horas (20h30 de Brasília), Maduro assumiria a presidência interina com "o chamado às eleições quando for a hora, de acordo com a Constituição nos 30 dias seguintes", explicou o presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello.

Os deputados da coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) decidiram não assistir. "Queremos dizer firmemente ao mundo e à Venezuela que hoje não assistiremos à sessão da Assembleia Nacional porque consideramos que é mais um ato eleitoral, porque consideramos que é uma violação da lei constitucional venezuelana", disse o parlamentar Ángel Medina.

O Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela, a mais alta corte do Judiciário do país, ratificou nesta sexta-feira o juramento de Maduro como presidente-interino, além de permitir que concorra à Presidência nas eleições que devem ser realizadas em até 30 dias. Até lá, ele terá todos os poderes de um mandatário eleito para o cargo.

Segundo a interpretação da corte, a Constituição Bolivariana, ao falar da ausência absoluta do presidente, também não obriga Maduro a deixar o cargo durante o processo eleitoral.

O lado de dentro da solenidade de "posse" no salão de honra da Academia, contrastava com o rebuliço no exterior: as pessoas gritavam slogans, canções revolucionárias tocavam nos alto-falantes e os vendedores ambulantes vendiam bebidas e comida.

"Chávez vive, a luta prossegue!", "Queremos ver Chávez", dizia a multidão, que se aglomerava a poucos metros da entrada e se espalhava, ao longo de vários quilômetros. Mais de dois milhões de pessoas, segundo o executivo, se deslocaram de todo o país para se despedir de seu líder.

Não foram divulgadas imagens do rosto de Chávez, mas um jornalista da AFP que pôde se aproximar do caixão afirmou que, "vestido impecavelmente com um terno verde oliva e gravata preta, coroado com sua emblemática boina vermelha, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, mostra um rosto sereno, apesar do rigor da morte".

"Não importa quantas horas esperamos, mas vamos ficar aqui até que o vejamos", afirmou Luis Herrera, utilizando a boina vermelha popularizada pelo líder venezuelano, falecido na terça-feira aos 58 anos, depois de batalhar por quase dois anos contra um câncer.

Os opositores ao presidente lamentam a divisão da sociedade venezuelana que Chávez alimentou com seu discurso agressivo e polarizador.

Leia mais em AFP Movel