Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Forças leais a Kadafi disputam o controle de Brega com rebeldes

Internacional

Líbia

Forças leais a Kadafi disputam o controle de Brega com rebeldes

por Opera Mundi — publicado 01/04/2011 11h39, última modificação 01/04/2011 11h39
O importante enclave petrolífero pode estar prestes a retornar ao controle de Kadafi.

Confrontos entre as tropas leais ao coronel Muamar Kadafi e os rebeldes continuaram nesta sexta-feira (01/04) nas imediações de Brega, 225 quilômetros a oeste de Benghazi. O importante enclave petrolífero pode estar prestes a retornar ao controle de Kadafi, de acordo com as redes de televisão Al Jazeera e Telesur.

Caso Brega volte para as mãos das forças governamentais, o alvo seguinte deve ser a cidade de Ajdabiya, estratégica pois conecta uma estrada que liga diretamente com Tobruk, ao leste de Benghazi, sem passar por esta última cidade. Seria possível, então, isolar a capital rebelde.

Durante esta quinta-feira, as tropas de Kadafi bombardearam as posições rebeldes com mísseis Grad e foguetes Katyusha. Enquanto isso, a maior parte dos habitantes da vizinha Ajdabiya, a 65 quilômetros ao leste de Brega, fugiram da cidade por temor a novos confrontos.

Ex-chanceler de Kadafi será levado, sem regalias, à Justiça do Reino Unido
Ministro de Relações Exteriores da Líbia abandona o país, diz Al Jazeera

Forças de Kadafi avançam para o leste da Líbia
Obama não descarta entregar armas à oposição na Líbia

A guerra fascista da OTAN

O plano da OTAN é ocupar a Líbia
A guerra inevitável da OTAN
Líbia é centro de disputa geopolítica
Kadafi voltou a ser inimigo do Ocidente

China e Alemanha

Os ministros de Relações Exteriores da China e da Alemanha, países que compartilham a oposição à intervenção militar internacional no conflito líbio, pediram nesta sexta-feira em Pequim "uma solução política" para a crise, após manter uma reunião bilateral na capital chinesa.

"A situação na Líbia não pode ser resolvida por meios militares. Só pode haver uma resolução política e devemos utilizar o processo político", disse aos jornalistas o ministro de Exteriores alemão, Guido Westerwelle, citado pela agência oficial chinesa Xinhua.

Seu colega chinês, Yang Jiechi, ressaltou que Pequim "está preocupada com os contínuos relatórios de mortes e feridos entre civis, assim como pela escalada do conflito militar na Líbia", após lembrar que China e Alemanha se abstiveram na votação da resolução 1973 da ONU que aprovou o uso da força contra o regime de Kadafi.

*Matéria publicada originalmente em Opera Mundi.

registrado em: ,