Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Forças anti-Kaddafi aumentam cerco a focos de resistência

Internacional

Líbia

Forças anti-Kaddafi aumentam cerco a focos de resistência

por Agência Brasil publicado 02/09/2011 15h46, última modificação 04/09/2011 18h09
Segundo chefe do Conselho Nacional de Transição, Kaddafi está "em algum lugar na Líbia", em segurança, cercado por apoiadores leais

Da BBC Brasil

Brasília – Centenas de combatentes leais ao governo interino da Líbia aumentaram no domingo 4 o cerco a Bani Walid, uma das poucas cidades do país ainda sob controle de forças leais ao líder deposto Muammar Kaddafi. Eles estão chegando à cidade por três diferentes pontos e dão às tropas que apoiam Kaddafi um ultimato: ou se rendem ou enfrentam um ataque. As tropas do governo interino esperam entrar na cidade hoje (4) ou amanhã (5).

A cidade no deserto ficou em evidência no mês passado, quando surgiram rumores de que dois dos filhos de Kaddafi fugiram da capital, Trípoli, para lá. Segundo relatos, é possível que alguns membros da família do ex-líder líbio ainda estejam na cidade.

No sábado 3, o chefe do Conselho Nacional de Transição (CNT), Mustafa Abdel Jalil, que pretende assumir o poder no país oficialmente nesta semana, disse que seus soldados também mantêm o cerco sobre Sirte, cidade natal de Kaddafi, e sobre as cidades de Jufra e Sabha. Segundo ele, as cidades estão recebendo ajuda humanitária, mas têm uma semana para se render "para evitar mais derramamento de sangue".

Analistas consideram necessária a tomada dos últimos bastiões de resistência pró-Kaddafi para que o CNT consolide o controle sobre todo o país, formando um governo significativo e eliminando a ameaça do antigo regime.

O paradeiro de Kaddafi permanece desconhecido. Seu porta-voz, Moussa Ibrahim, disse à agência de notícias Reuters, em entrevista por telefone, que o coronel está "em algum lugar na Líbia", em segurança, cercado por apoiadores leais.

O Conselho Nacional de Transição informou que pretende transferir sua sede de Benghazi, no Leste da Líbia, para Trípoli, na próxima semana para se declarar formalmente como o novo governo do país. Analistas consideram que a demora do CNT em assumir formalmente o governo pode gerar temores sobre um possível vácuo de poder na capital.

*Matéria originalmente publicada em Agência Brasil

registrado em: ,