Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Filha de Fujimori avança na disputa pela presidência do Peru

Internacional

Vantagem

Filha de Fujimori avança na disputa pela presidência do Peru

por Opera Mundi — publicado 23/05/2011 16h43, última modificação 23/05/2011 19h57
A 15 dias do segundo turno das eleições, candidata da Fuerza 2011 chega a 51,4% das intenções de voto, contra 48,6% de Ollanta Humala

Por Renata Giraldi*

A 15 dias do segundo turno das eleições presidenciais no Peru, a candidata da coligação Fuerza 2011, Keiko Fujimori, de 35 anos, filha do ex-presidente Alberto Fujimori (1990-2000), tem 51,4% das intenções de voto. Já seu adversário, o nacionalista da aliança Ganha Peru, Ollanta Humala, de 47 anos, obteve 48,6%. Os dados são do Instituto de Pesquisas Ipsos Apoyo, que divulgou os resultados neste domingo (22/05).

Nas votações do primeiro turno, em abril, Humala venceu com 31,8% dos votos e Keiko obteve 22,8%. No próximo dia 5, aproximadamente 1,8 milhão de eleitores irão às urnas. Durante toda a campanha eleitoral, Humala liderou as pesquisas de intenção de voto. Mas, nos últimos dias, a filha de Fujimori tem avançado, segundo as pesquisas de opinião, e obtido vantagem em relação ao adversário.
Em geral, Keiko usa parte do tempo de campanha para defender seu pai. Alberto Fujimori é acusado de corrupção, desvio de verba pública e violação de direitos humanos. Porém, os simpatizantes da família Fujimori elogiam os esforços do ex-presidente para o desenvolvimento econômico e estímulo à produção agrícola.

Humala foi candidato em 2006 e perdeu as eleições para o atual presidente do Peru, Alan García. Determinado a vencer as eleições, ele busca aproximar-se de todos os segmentos da sociedade. A iniciativa o favoreceu na primeira etapa das eleições no Peru.

O novo governo do Peru assumirá um país que registrou crescimento econômico médio de 8% ao ano, mas enfrenta turbulências no cenário nacional e tensões com alguns vizinhos, como os chilenos, por causa de controvérsias territoriais. Internamente, há conflitos entre indígenas e policiais.

Em 2010, o comércio bilateral com o Brasil envolveu 565,85 milhões de dólares, com superávit favorável aos brasileiros em 178,098 milhões de dólares. O comércio entre os dois países é baseado na exportação para o Peru de automóveis, maquinários, peças de reposição de veículos e alguns produtos industrializados. A importação brasileira está concentrada nos minérios.

Em abril, quando houve o primeiro turno das eleições presidenciais, também foram escolhidos os titulares das 130 cadeiras do Congresso Nacional, além dos 15 membros do Parlamento Andino – dos quais cinco serão titulares e dez, suplentes.

*Publicado originalmente em Opera Mundi.

registrado em: