Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Farmacêutica Pfizer aceita pagar indenizações

Internacional

Cobaias humanas

Farmacêutica Pfizer aceita pagar indenizações

por Redação Carta Capital — publicado 12/08/2011 12h34, última modificação 06/06/2015 18h57
A americana Pfizer usou droga experimental contra meningite em crianças na Nigéria em 1996, o que teria causado 11 mortes

A gigante farmacêutica Pfizer indenizará parentes de jovens nigerianos que morreram ao participar do teste de um medicamento contra meningite em 1996, quando o país sofria um surto da doença. O acordo ocorreu após 15 anos de batalhas judiciais e a empresa vai pagar 175 mil dólares a quatro famílias. Porém, mais acordos devem ocorrer.

Na época, um grupo de 100 crianças no estado de Kano foi tratado com um medicamento experimental chamado Trovan e outro com ceftriaxone, padrão mundial no combate a doença. Cinco pessoas que receberam o Trovan e seis que tomaram o ceftriaxone morreram.

Após os testes, a empresa foi acusada de não possuir autorização devida dos pais para usar uma droga experimental em seus filhos, além de ter a documentação dos testes contestada.

Os processos alegam que algumas crianças receberam doses abaixo do recomendado, resultando em danos cerebrais, paralisia e fala confusa. A empresa se defende afirmando que os problemas são relativos à doença e não aos remédios.

Postura agressiva

As indenizações foram as primeiras a sair do Fundo Healthcare/Meningitis. A decisão de quem será compensado na Nigéria e quais os valores é feita por um painel independente de curadores, sem envolver a empresa ou o governo local.

A Pfizer ainda aceitou financiar projetos de saúde em Kano e criar um fundo de 35 milhões de dólares para compensar os afetados.

Contudo, segundo documentos vazados pelo WikiLeaks em 2010, a companhia contratou investigadores particulares para procurar evidências de corrupção contra um advogado federal da Nigéria em uma tentativa de persuadi-lo a largar a ação.

A empresa planejava vender o Trovan na Europa e nos EUA após os testes na África, mas sua licença foi retirada após preocupações sobre intoxicação do fígado.

registrado em: