Você está aqui: Página Inicial / Internacional / FARC insistem na proposta de trégua durante diálogo de paz da Colômbia

Internacional

América Latina

FARC insistem na proposta de trégua durante diálogo de paz da Colômbia

por AFP — publicado 20/10/2012 20h04, última modificação 20/10/2012 20h08
Em carta, líder da guerrilha volta a pedir trégua, possibilidade que o governo colombiano negou
photo_1350763866239-1-0

Piedad Córdoba com membros das FARC em San Isidro em maio. Foto: Luis Acosta / AFP

BOGOTÁ (AFP) - A guerrilha comunista das FARC insistiu na importância de que seja decretado um cessar fogo na Colômbia, enquanto acontecem os diálogos de paz com o governo, de acordo com uma carta do líder insurgente Timoleón Jiménez a uma ONG colombiana divulgada neste sábado 20.

"Também vemos com interesse a proposta de cessar fogo bilateral e suspensão das hostilidades e manifestamos nossa disposição para discutir com o governo nacional as condições em que isso poderia ser feito", disse Timoleón Jiménez, o Timochenko, em carta enviada à ONG Colombianos e Colombianas pela Paz (CCP), dirigida pela ex-senadora Piedad Córdoba.

Durante a instalação formal do processo de paz realizada na quinta-feira em Oslo, as FARC já tinham feito um pedido de cessar fogo bilateral para evitar que o número de vítimas do conflito armado que a Colômbia enfrenta há quase meio século continue aumentando. O governo colombiano descartou discutir essa trégua até o final das negociações, que começam em novembro em Cuba. O chefe negociador do executivo, Humberto de la Calle, declarou em Oslo que "a melhor maneira de humanizar o conflito é encerrá-lo" o quanto antes.

ONGs colombianas como CCP e o escritório da ONU para os Direitos Humanos na Colômbia defenderam que o fim dos enfrentamentos favoreceria as conversas, mas as atividades militares e guerrilheiras não param.

As FARC atacaram com explosivos uma patrulha militar na noite de sexta-feira, causando a morte de cinco soldados, enquanto as Forças Armadas colombianas mataram, dias antes, pelo menos dois rebeldes em um bombardeio contra um acampamento guerrilheiro.

Timochenko expressa na carta que, se nesta oportunidade também não houver acordo de paz, ambas as partes devem avançar de todas as formas "para a construção de um tratado de regularização da guerra". Os acordos deste eventual tratado deveriam ser verificados por "uma comissão encabeçada por organismos internacionais escolhidos em acordo entre as partes", propõe Timochenko no texto, fechado na quinta-feira.

O movimento CCP troca cartas nos últimos anos com as FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e a outra guerrilha esquerdista do país, o Exército de Libertação Nacional (ELN), que não se juntou ao atual processo de paz.

registrado em: , , ,