Você está aqui: Página Inicial / Internacional / FAO alerta para necessidade de 'ajuda alimentar urgente' à República Centro-Africana

Internacional

África

FAO alerta para necessidade de 'ajuda alimentar urgente' à República Centro-Africana

por Agência Brasil publicado 16/12/2013 12h28, última modificação 16/12/2013 12h31
Conflito afeta a produção de alimentos e indica a possibilidade de uma crise humanitária no país
Fred Dufour / AFP
República Centro-Africana

Soldados franceses patrulham as ruas de Bangui, na República Centro-Africana, nesta segunda-feira 16. Cerca de 600 pessoas morreram no país nos últimos dias e a França mandou tropas para acompanhar a missão da União Africana que tenta controlar a situação

Cerca de 1,29 milhão de pessoas na República Centro-Africana (RCA) precisam de ajuda alimentar urgente devido ao conflito no país, alertou nesta segunda-feira 16 a Organização para a Alimentação e a Agricultura (FAO) das Nações Unidas. De acordo com a FAO, essas pessoas representam mais de 40% da população rural do país e é quase o dobro do estimado em fevereiro deste ano.

"[A insegurança alimentar] vai aumentar dramaticamente no próximo ano se os agricultores não conseguirem se preparar para o próximo período de plantio", informou a organização.

A produção agrícola na RCA caiu este ano devido ao conflito deflagrado no Nordeste do país em dezembro do ano passado. Segundo as estimativas, aproximadamente 500 mil pessoas abandonaram suas casas e milhares de agricultores deixaram de ter acesso ao campo por causa da crise.

"Há uma grave falta de sementes. Por um lado, devido às pilhagens, por outro, porque os habitantes foram obrigados a consumi-las em vez de as conservar para o plantio", informou o diretor da divisão de Operações de Urgência da FAO, Dominique Burgeon.

De acordo com ele, os agricultores vendem utensílios e animais para alimentar a família e ficam sem meios de ganhar dinheiro. Outro problema tem sido o roubo de animais e de equipamento agrícola. A agricultura representa 53% do Produto Interno Bruto (PIB) da RCA e gera a maioria dos empregos do país, que tem cerca de três quartos da população vivendo no meio rural.

As exportações de madeira, algodão e café - uma das principais fontes de divisas estrangeiras no país - diminuíram drasticamente em 2013 e os preços dos alimentos estão elevados e voláteis, devido à perturbação do mercado.

O pedido de ajuda humanitária coordenado pelas Nações Unidas (ONU) aponta para a necessidade de US$ 241 milhões (cerca de R$ 562 milhões) para ajudar 1,8 milhão de pessoas na RCA. O aporte da FAO e do Programa Alimentar Mundial (PAM) para a cooperação em segurança alimentar é de U$ 61 milhões (cerca de R$ 142 milhões) para 500 mil pessoas.

A RCA tem 4,5 milhões de habitantes e, desde março deste ano, passa por uma crise causada pela substituição do então presidente François Bozizé pelo líder da coligação rebelde de maioria muçulmana, Seleka, Michael Djotodia. No começo de dezembro, o Conselho de Segurança da ONU aprovou uma resolução que permite a intervenção de forças internacionais no país.