Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Família de Mursi vai processar chefe do Exército egípcio por sequestro

Internacional

Golpe de Estado

Família de Mursi vai processar chefe do Exército egípcio por sequestro

por AFP — publicado 22/07/2013 15h18
Presidente deposto pelos militares em 3 de julho está detido em local secreto
Ahmed Mahmud / AFP
Mohamed Mursi

O presidente deposto do Egito, Mohamed Mursi, durante a eleição presidencial em 2012

CAIRO, Qahirah (AFP) - A família de Mohamed Mursi anunciou nesta segunda-feira 22 que denunciará ante a Justiça nacional e internacional o chefe do Exército egípcio, general Abdel Fatah al-Sissi, acusado do sequestro do presidente deposto pelos militares no Egito no dia 3 de julho.

As autoridades de transição seguiam adiante com seu programa, fornecendo ao público a possibilidade de propor emendas para revisar a Constituição, no momento em que o presidente interino designado pelo exército após a deposição de Mursi, Adli Mansour, previa fazer um discurso na noite desta segunda-feira por ocasião do aniversário do golpe de Estado dos Oficiais Livres liderados por Gamal Abdel Nasser, em 1952.

Já os membros da Irmandade Muçulmana, o movimento de Mursi, que formavam parte do Conselho Consultivo, responsável por exercer a totalidade do poder legislativo até sua dissolução pelas novas autoridades, se reuniram em seu bastião do nordeste do Cairo. "Estamos iniciando ações legais local e internacionalmente contra Abdel Fatah al-Sissi, chefe do sangrento golpe de Estado militar, e seu grupo golpista", declarou Shaimaa Mursi, filha do presidente deposto, em uma coletiva de imprensa.

"Consideramos que o chefe do golpe de Estado e seu grupo são totalmente responsáveis pela saúde e integridade do presidente Mursi", acrescentou, sem informar se a família está em contato com o presidente deposto, detido em um local secreto pelo exército desde sua deposição, no dia 3 de julho.

Vários países, entre eles os Estados Unidos e a Alemanha, exigiram sua libertação.

As novas autoridades minimizaram as demandas, mas afirmaram no dia 10 de julho que Mursi está em um local seguro e é tratado de forma digna.

Segundo fontes judiciais, Mursi foi interrogado no dia 14 de julho pela justiça sobre as circunstâncias de sua fuga da prisão em 2011 durante a revolução que provocou a queda de Hosni Mubarak, após três décadas no poder.

Os partidários de Mursi seguiam protestando para exigir seu retorno à presidência. Centenas deles se manifestaram diante da sede da promotoria, no Cairo, e colocaram nas portas fotos de Mursi, aos gritos de "Sissi assassino!".

"Acredito na causa de Mursi e penso que o restabeleceremos (no poder) aumentando a pressão nas ruas", declarou à AFP um manifestante, Mohamed Awad, que viajou de Minya, no centro do país, a 250 km da capital, para participar do protesto.

Outras centenas de reuniram nas imediações do ministério da Defesa para homenagear três manifestantes favoráveis ao presidente deposto, mortos na sexta-feira em Mansura (norte), com fotos de Mursi e bandeiras com o slogan: "Abaixo o regime militar".

Uma comissão de especialistas nomeada por Mansour começou no domingo a estudar a reforma da Constituição do Egito, suspensa após a deposição de Mursi.

Leia mais em AFP Movel.

registrado em: ,