Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Ex-presidente mexicano defende que o país exporte maconha

Internacional

Legalização das drogas

Ex-presidente mexicano defende que o país exporte maconha

por AFP — publicado 06/06/2013 11h49
Vicente Fox afirmou que a medida tira o poder do narcotráfico e gera recursos para o governo e empresários
Ronaldo Schemidt/AFP
vicente-fox.jpg-3144.html

Vicente Fox defende que o país plante e exporte maconha para acabar com o narcotráfico

GUANAJUATO, México (AFP) - Vicente Fox, ex-presidente do México, defendeu na quarta-feira 6 que o país se transforme em um grande exportador mundial de maconha. A ação, segundo ele, acabaria com os cartéis de narcotraficantes. "Assim que for legítimo e legal, claro que como agricultor quero fazê-lo", disse a jornalistas no município de San Francisco del Rincón, estado de Guanajuato.

O ex-presidente conservador do Partido Ação Nacional (PAN) argumentou que com a legalização da maconha "os grandes perdedores serão os criminosos", pois o dinheiro gerado pela droga iria para empresários, industriais e o governo, ao invés de "chefões como Joaquín 'Chapo' Guzmán", o traficante mais procurado por México e Estados Unidos.

"O México deve se tornar um produtor autorizado e exportar maconha para onde já é legalizada", disse Fox, que faz parte do grupo de ex-presidentes latino-americanos, ao lado de Fernando Henrique Cardoso, que defendem a legalização da droga como forma de combater o tráfico e obter recursos para uma ação social.

Segundo Fox, o México deve seguir o caminho dos EUA, onde 14 estados permitem a produção e a comercialização da droga para fins terapêuticos.

Com um controle adequado e regulamentação, a maconha pode ser perfeitamente uma indústria legal e operativa que amplie a arrecadação de impostos para destiná-los à educação e a outras áreas sociais, disse Fox. "O gravíssimo problema do México de violência, crime e drogas se resolve com a legalização, pois tentar resolvê-lo com a repressão ou a violência apenas gera mais violência."

Leia mais em AFP Movel.