Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Especialistas identificam iodo radioativo no mar do Japão, mas negam ameaças a plantas e animais

Internacional

Japão

Especialistas identificam iodo radioativo no mar do Japão, mas negam ameaças a plantas e animais

por Agência Brasil publicado 28/03/2011 09h41, última modificação 28/03/2011 09h41
Amostras do mar do Japão indicam quantidade de iodo radioativo maior do que o aceitável, autoridades negam efeitos nocivos

Da Agência Lusa

Brasília - Uma taxa de iodo radioativa 1.150 vezes superior à máxima legal foi identificada em uma amostra de água do mar na Usina Nuclear de Fukushima Daiichi, no Japão. No entanto, as autoridades japonesas insistem em afirmar que plantas e animais não estão ameaçados. Especialistas afirmam, porém, que como os sistemas de resfriamento da usina ainda estão danificados, há riscos de acidentes nucleares.

Para identificar a taxa de iodo radioativo foi retirada amostra a uma distância de 30 metros dos reatores 5 e 6 da usina. O porta-voz da agência de segurança nuclear japonesa, Hidehiko Nishiyama, disse hoje (28) que os testes foram conduzidos pela empresa de energia que administra o complexo, a Tokyo Electric Power (Tepco).

Segundo a Tepco e a agência de segurança nuclear japonesa, a radioatividade identificada na água do mar não ameaça as algas e os animais marinhos. De acordo com os dois órgãos, o iodo radioativo reduz-se para a metade a cada oito dias. Os testes com a amostra foram feitos ao sul de Fukushima Daiichi, próximo dos reatores 1 a 4, os mais danificados, onde a taxa de iodo 131 se elevou nesse domingo a um nível quase 2 mil vezes superior ao normal.

Os reatores 5 e 6, que estavam parados para manutenção no momento do terremoto seguido de tsunami – no último dia 11 - não sofreram danos. O sistema de resfriamento desses reatores voltou a ser ligado à corrente elétrica. Desde a catástrofe do último dia 11, os sistemas de resfriamento de quatro dos seis reatores estão danificados. Com isso, de acordo com especialistas, os riscos de explosões e vazamentos nucleares aumentam.

*Matéria publicada originalmente na Agência Brasil.

registrado em: ,