Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Empresa que gerencia Pistorius nega acusação de assassinato

Internacional

África do Sul

Empresa que gerencia Pistorius nega acusação de assassinato

por Redação Carta Capital — publicado 15/02/2013 11h08, última modificação 15/02/2013 15h23
Polícia acredita que o atleta sul-africano tenha premeditado a morte da namorada

*Atualizado às 16h17 de sexta-feira 15

Em nota publicada em seu site oficial na tarde desta sexta-feira 15, a companhia que gerencia a carreira do atleta sul-africano Oscar Pistorius, de 26 anos, negou “nos mais fortes termos” a acusação de assassinato de sua namorada, a modelo Reeva Steenkamp.

Mais cedo, o corredor chorou em um tribunal de Pretória, na África do Sul, ao ser formalmente acusado do crime. Ele é suspeito de ter assassinado Steenkamp, de 29 anos, com quatro tiros na madrugada de quinta-feira 14. A modelo estava na casa de Pistorius em um condomínio de luxo em Pretória.

Astro na África do Sul, ele foi o primeiro corredor biamputado a participar de uma edição dos Jogos Olímpicos, em Londres, no ano passado.

Segundo o pronunciamento oficial, há procedimentos legais que devem ser feitos “como a investigação adequada pela polícia” e “reunião de evidências”. A nota ainda diz que Pistorius manda seus sentimentos à família da vítima e agradece o apoio que tem recebido.

Tribunal

Nesta sexta-feira, Pistorius chegou ao tribunal sentado na parte de trás de um veículo policial, com a cabeça coberta. Já dentro da sala de audiência, vestido com um terno preto e uma camisa azul celeste, não conseguiu evitar as lágrimas. Ele cobria o rosto com as mãos e olhava para o chão ao ouvir as acusações.

Os advogados pediram o adiamento do pedido de fiança para terem tempo de conduzirem sua própria investigação do caso. O juiz Desmond Nair, um magistrado acostumado com grandes processos, concordou e marcou uma nova sessão para terça-feira 19.

Pistorius não olhou para o juiz ao saudá-lo na audiência, que durou menos de uma hora. Após a sessão, o atleta foi levado a uma cela de uma delegacia do Brooklyn, bairro nobre de Pretória, onde ficará detido provisoriamente.

A polícia da África do Sul excluiu a tese de acidente e a promotoria solicitará a reclassificação do caso como “assassinato com premeditação”. Caso condenado, ele pode ser punido com a prisão perpétua.

Há três anos, Pistorius havia se declarado favorável à pena de morte (abolida no país em 1995) por crimes de sangue.

Veículos de comunicação do mundo inteiro esperaram por várias horas no lado de fora do Tribunal, onde dezenas de curiosos se reuniam. Parte dos jornalistas não conseguiu entrar na sala de audiência por falta de espaço.

O incidente

Segundo o jornal Beeld, a polícia foi acionada pela primeira vez durante a madrugada por vizinhos que ouviram gritos de uma discussão na casa de Pistorius. Mais tarde, as autoridades foram novamente chamadas após o som de disparos de arma de fogo. Um vigia da residência indicou ao jornal que o corpo de Reeva teria sido encontrado no banheiro.

Inicialmente aventou-se a tese de que a vítima havia sido confundida com um ladrão tentando invadir a casa. Mas a polícia excluiu essa possibilidade com base em relatos de brigas antigas do casal na residência.

Um dia após o crime, a imagem de um Pistorius de personalidade forte e paranóico se opunha a de sua tenacidade esportiva, que o transformou em ídolo.

Investigação

Diversos especialistas participaram da investigação na casa de Pistorius na quinta-feira. "O corpo da jovem Reeva será entregue a sua família para o funeral quando os especialistas terminarem a necropsia, amanhã ou na próxima semana. Não sabemos quanto tempo levarão, mas estamos esperando o relatório", disse Katlego Mogale, porta-voz da polícia sul-africana, à AFP.

Na véspera de sua morte, a modelo defendeu no Twitter as mulheres vítimas de violências sexuais, em um país onde a frequência de estupros é elevada. Depois postou em seu blog uma mensagem no mesmo sentido. "Vistam-se de preto nesta sexta-feira para apoiar a campanha contra os estupros e a violência contra as mulheres", unindo-se à indignação geral provocada por uma recente agressão sexual de uma adolescente no início de fevereiro perto da Cidade do Cabo.

Reeva Steenkamp participou em um reality-show rodado na Jamaica, cuja exibição está prevista a partir de sábado 16. A rede pública SABC indicou que o manterá em sua programação.

Com informações AFP.

Leia mais em AFP Movel.

registrado em: ,