Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Em nova doutrina militar, Putin vê expansão da Otan como ameaça para Rússia

Internacional

Em nova doutrina militar, Putin vê expansão da Otan como ameaça para Rússia

por Deutsche Welle publicado 26/12/2014 17h23
Reforço das capacidades ofensivas da aliança na fronteira russa é tido como um dos maiores riscos externos; anúncio ocorre após Ucrânia renunciar a status de país não alinhado, visando se unir à Otan
MAXIM SHIPENKOV / POOL / AFP
Vladimir Putin

Vladimir Putin: Otan é a principal ameaça a seu país

O presidente russo, Vladimir Putin, assinou uma nova doutrina militar que nomeou a Otan como um dos maiores riscos externos para seu país, informou o Kremlin nesta sexta-feira (26/12). A decisão ocorre dias depois de a Ucrânia dar passos importantes no objetivo de se unir à aliança militar.

O documento condena o "reforço das capacidades ofensivas da Otan diretamente nas fronteiras da Rússia e as medidas tomadas para implementar um sistema de defesa antimíssil global" na EuropaCentral.

A nova doutrina militar de Moscou mantém seu caráter essencialmente defensivo. O documento também diz que a "probabilidade de uma grande guerra contra a Rússia diminuiu"O texto lista as ameaças à segurança da Rússiacomo "ingerência nos assuntos internos" do país por outros Estados e projetos estratégicos de defesa no espaço.

O documento é divulgado após repetidos protestos de Moscou sobre a decisão da Otan de posicionartropas nos países-membros da aliança, como Polônia e países bálticos, que têm fronteiras com aRússia. O Kremlin também se opõe ao plano da Otan de basear seu escudo de defesa antimísseis na Europa Central, que Moscou como uma medida dirigida principalmente contra a Rússia.

Tom áspero

O tom mais áspero da doutrina também segue a decisão aprovada quarta-feira pelo Parlamento daUcrânia de abandonar seu status de país não alinhado, um ato simbólico que irritou Moscou porpotencialmente abrir caminho para Kiev solicitar a adesão à Otan. O ministro do Exterior russo,Serguei Lavrov, descreveu a medida como "contraproducente" e acusou Kiev de, com ela, "alimentar ainda mais o clima de confronto".

Parte da doutrina militar da Rússia continua a ser a "dissuasão nuclear". O país se reserva no direitode usar armas nucleares em resposta a um ataque contra seu território ou contra aliados, assim comono caso de uma ameaça contra a "sobrevivência do Estado".

A doutrina afirma, ainda, que os maiores riscos internos são as atividades para desestabilizar a situação no país e ações terroristas.

Logo DW

registrado em: , , , ,