Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Disputa no Chile será decidida no 2º turno

Internacional

América Latina

Disputa no Chile será decidida no 2º turno

por AFP — publicado 17/11/2013 22h13, última modificação 18/11/2013 07h05
Com 98,66% das urnas apuradas, ex-presidente Michelle Bachelet liderava com 46,69% dos votos
©afp.com / MARTIN BERNETTI
Michele Bachelet

A ex-presidente do Chile, Michele Machelet, sai na frente na disputa no Chile

*Atualizado às 07h02 de segunda-feira 18

Com 98,66% das urnas apuradas, a ex-presidente socialista Michelle Bachelet liderava a disputa presidencial no Chile com 46,69% dos votos. Sua principal adversária, a candidata governista Evelyn Matthei, somava 25,01%, o que leva a eleição ao segundo turno, de acordo com o Serviço Eleitoral. Com o resultado, Bachelet enfrentará Matthei no próximo dia 15 de dezembro. Para vencer em primeiro turno, Bachelet precisava de 50% mais um voto.

Bachelet, primeira mulher a chegar à presidência em 2006, tinha expressado seu desejo de vencer no primeiro turno, algo que não acontece no Chile há duas décadas. "Gostaríamos e esse foi nosso esforço: convocar as pessoas a votar para ganhar no primeiro turno, porque há muitas coisas a fazer", declarou uma sorridente Bachelet depois de votar na zona leste de Santiago.

Mathei, por outro lado, havia declarado sua segurança em disputar o segundo turno. "Estamos certos de que vamos passar para o segundo turno", disse Mathei, depois de votar.

Em terceiro lugar, ficou o ex-deputado socialista Marco Enríquez-Ominami, com 10,96%.

 

Uma disputa com história e drama

No segundo turno, haverá uma disputa histórica e dramática. Pela primeira vez, duas mulheres disputarão uma eleição no Chile. Ambas, além disso, compartilham um passado comum. Tanto Matthei como Bachelet são filhas de generais da Força Aérea que eram grandes amigos e brincavam juntas na base militar onde suas famílias viviam.

Contudo, o golpe de Estado que instalou a ditadura de Augusto Pinochet, no dia 11 de setembro de 1973, separou a vida de ambas as famílias.

Enquanto o general Alberto Bachelet foi preso no mesmo dia da revolta militar e torturado até a morte por se manter fiel à Allende, Fernando Matthei, fez parte da junta militar do regime de Pinochet.

O general Matthei era responsável pelo local onde seu amigo Alberto Bachelet morreu, mas a justiça determinou que ele não teve envolvimento na morte de Alberto Bachelet.

 

Bachelet e sua proposta de mudanças

Depois de deixar o governo em 2010 com uma popularidade recorde de mais de 80% e impedida por lei de se reeleger imediatamente, Bachelet comunicou em março sua intenção de voltar a se candidatar.

Nesta campanha, é apoiada pelo pacto Nova Maioria, integrado por socialistas, democrata-cristãos e pelo Partido Comunista.

Pediatra e mãe de três filhos, Bachelet propôs uma reforma tributária, a reinstalação do aborto terapêutico - proibido no Chile em todas as suas formas - e um debate sobre o casamento gay.

Também propôs uma reforma educacional e uma nova Constituição que acabe com a herdada pela ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

Com uma economia chilena crescendo a bom ritmo, mas persistente desigualdade social, as propostas de mudança atraíram a população.

Contudo, para concretizar as transformações, Bachelet precisa de uma ampla maioria no Congresso, que renova neste domingo seus 120 deputados e 20 de seus 38 senadores.

Um único incidente marcou o dia de eleições. À tarde, dezenas de estudantes ocuparam por duas horas a sede do comitê de campanha de Bachelet que se encontrava quase vazio.

Os estudantes reafirmaram suas demandas por uma educação pública, gratuita e de qualidade e alertaram que continuarão protestando no próximo ano, assim como em 2011, quando tomaram as ruas com protestos que reuniram milhares de pessoas.

"Independente de toda esta parafernália eleitoral, quem sair para o governo vai ter nas ruas o movimento estudantil e o movimento social", alertou a líder estudantil Eloísa González.

Leia mais notícias em AFP Mobile.