Você está aqui: Página Inicial / Internacional / "Dia D" reúne quase 2 milhões de manifestantes no Cairo

Internacional

Revolta

"Dia D" reúne quase 2 milhões de manifestantes no Cairo

por Redação Carta Capital — publicado 01/02/2011 15h31, última modificação 01/02/2011 15h37
Os protestos contra a permanência do ditador Hosni Mubarak continuam na capital e em outras cidades do Egito; onda de instabilidade política chegou também à Jordânia

O "Dia D" dos protestos no Egito contra o ditador Hosni Mubarak reuniu mais gente do que o esperado na capital do país, Cairo. Na praça Tahrir, ponto de encontro da cidade, cerca de dois milhões de pessoas exigiam nesta terça-feira 01 a queda de Mubarak, que há 30 anos governa o país.

A onda de manifestações que começou na semana passada atingiu outras grandes cidades egípcias como Suez e Alexandria. Inspirados pelos protestos na Tunísia, que derrubaram o presidente Ben Ali, os egípcios perderam o medo e tomaram as ruas, enfrentando a polícia e o toque de recolher imposto por Mubarak.

No domingo, Mubarak tentou aliviar a pressão popular anunciando a dissolução de todo o ministério e nomeando Omar Soleiman, ex-chefe do serviço secreto, como seu novo vice-presidente. A mudança surtiu algum efeito apenas nas relações externas - Soleiman é visto com simpatia pelos Estados Unidos e por Israel. Nas ruas, a população seguiu com os protestos. Um novo governo não era suficiente. Mubarak devia cair.

A resposta do ditador foi ampliar o toque de recolher para a população em todo o país. Ninguém deveria ficar nas ruas entre as 15h e as 8h do dia seguinte. Se alguém voltou para casa, não foi possível notar. A transmissão ao vivo da rede de TV Al Jazeera, do Catar, mostrou que as ruas do Cairo permaneciam ocupadas todo o tempo.

O exército, chamado por Mubarak para controlar os distúrbios, foi recebido com simpatia pela população. Os militares decidiram não reprimir os protestos, e limitaram-se a instalar proteção adicional à residência presidencial. Nas calçadas, soldados apenas observavam o povo e alguns deles aderiram ao movimento, juntando-se nas palavras de ordem aos manifestantes.

No início da noite, enquanto Mubarak contina a resistir, os manifestantes seguem ocupando a praça, cantando o hino nacional e entoando palavras de ordem contra o ditador.

Jordânia
A onda atual de instabilidade política no Oriente Médio, que começou pela derrubada do presidente Ben Ali na Tunísia, também chegou à Jordânia. Com menor intensidade, houve protestos contra a condução do país e o rei Abdullah II anunciou nesta terça-feira a dissolução do governo.

O rei ordenou ao primeiro-ministro jordaniano, Marouf Bakhit, a formação de um novo gabinete para "corrigir os erros do passado". A medida tem o objetivo de aliviar a pressão sobre o rei, mas pode surtir o efeito contrário, segundo um analista entrevistado pelo jornal americano Los Angeles Times: "Uma atitude como esta pode irritar ainda mais a população, as pessoas podem achar que não estão sendo levadas a sério", afirma Labib Kamhawi, economista e analista da região.

Assista à transmissão ao vivo da Al Jazeera

O "Dia D" dos protestos no Egito contra o ditador Hosni Mubarak reuniu

mais gente do que o esperado na capital do país, Cairo. Na praça Tahrir,

ponto de encontro da cidade, cerca de dois milhões de pessoas exigiam

nesta terça-feira 01 a queda de Mubarak, que há 30 anos governa o Egito.

A onda de manifestações que começou na semana passada atingiu outras

grandes cidades egípcias como Suez e Alexandria. Inspirados pelos

protestos na Tunísia, que derrubaram o presidente Ben Ali, os egípcios

perderam o medo e tomaram as ruas, enfrentando a polícia e o toque de

recolher imposto por Mubarak.

No domingo, Mubarak tentou aliviar a pressão popular anunciando a

dissolução de todo o ministério e nomeando Omar Soleiman, ex-chefe do

serviço secreto, como seu novo vice-presidente. A mudança surtiu algum

efeito apenas nas relações externas - Soleiman é visto com simpatia

pelos Estados Unidos e por Israel. Nas ruas, a população seguiu com os

protestos. Um novo governo não era suficiente. Mubarak devia cair.

A resposta do ditador foi ampliar o toque de recolher para a população

em todo o país. Ninguém deveria ficar nas ruas entre as 15h e as 8h do

dia seguinte. Se alguém voltou para casa, não foi possível notar. A

transmissão ao vivo da rede de TV Al Jazeera, do Catar, mostrou que as

ruas do Cairo permaneciam ocupadas todo o tempo.

O exército, chamado por Mubarak para controlar os distúrbios, foi

recebido com simpatia pela população. Os militares decidiram não

reprimir os protestos, e limitaram-se a instalar proteção adicional à

residência presidencial. Nas calçadas, soldados apenas observavam o povo

e alguns deles aderiram ao movimento, juntando-se nas palavras de ordem

aos manifestantes.

No início da noite, enquanto Mubarak contina a resistir, os manifestantes seguem ocupando a praça, cantando o hino nacional e entoando palavras de ordem contra o ditador.

Jordânia
A onda atual de instabilidade política no Oriente Médio, que começou pela derrubada do presidente Ben Ali na Tunísia, também chegou à Jordânia. Com menor intensidade, houve protestos contra a condução do país e o rei Abdullah II anunciou nesta terça-feira a dissolução do governo.

O rei ordenou ao primeiro-ministro jordaniano, Marouf Bakhit, a formação de um novo gabinete para "corrigir os erros do passado". A medida tem o objetivo de aliviar a pressão sobre o rei, mas pode surtir o efeito contrário, segundo um analista entrevistado pelo jornal americano Los Angeles Times: "Uma atitude como esta pode irritar ainda mais a população, as pessoas podem achar que não estão sendo levadas a sério", afirma Labib Kamhawi, economista e analista da região.

registrado em: , ,