Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Cristina Kirchner lidera disputa à presidência argentina

Internacional

Sucessão Argentina

Cristina Kirchner lidera disputa à presidência argentina

por Vermelho — publicado 19/01/2011 18h16, última modificação 19/01/2011 18h27
Pesquisa de opinião dá vantagem a atual presidente que não confirma se tentará se reeleger

Pesquisa de opinião dá vantagem a atual presidente que não confirma se tentará se reeleger
Com 43,3% das intenções de voto em uma pesquisa publicada nesta terça-feira (18), a presidente da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, aparece como favorita para a eleição presidencial de outubro. Kirchner não confirmou se vai tentar a reeleição, principalmente depois da morte do marido e ex-presidente, Néstor Kirchner, considerado homem forte por trás do governo, em 27 de outubro passado.
Segundo o Centro de Estudos de Opinião Pública (Ceop), Cristina tem mais de 30 pontos de vantagem sobre qualquer rival. O prefeito de Buenos Aires, Mauricio Macri, líder do Proposta Republicana (PRO), recebeu 11,8% das intenções de voto.
Em seguida, com 10,4%, aparece o deputado Ricardo Alfonsín, filho do falecido ex-presidente Raúl Alfonsín, da União Cívica Radical (UCR), segunda força parlamentar. O vice-presidente argentino, Julio Cobos, visto como expoente da oposição, tem 7,8% e aparece apenas em quarto lugar.
Com tais níveis de adesão popular, Cristina conquistaria a reeleição no primeiro turno no pleito marcado para 16 de outubro, quando também serão escolhidos o Parlamento e as legislaturas provinciais e municipais, entre outros cargos. A pesquisa, publicada pelo jornal "Página 12", foi realizada pelo Ceop com 1.288 cidadãos de todo o país.
Ela aponta ainda uma popularidade de 60% de Cristina — que, segundo o diretor do centro, Roberto Bacman, "se sustenta principalmente em eleitores com menos de 50 anos, de nível socioeconômico baixo e residentes de províncias". Uma pesquisa realizada unicamente em Buenos Aires e sua periferia mostra Kirchner com margem significativamente menor — 29% das intenções de voto.
* Matéria originalmente publicada no site Vermelho

registrado em: