Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Constituição egípcia é aprovada, mas contestada pela oposição

Internacional

Egito

Constituição egípcia é aprovada, mas contestada pela oposição

por AFP — publicado 23/12/2012 13h30, última modificação 23/12/2012 13h30
O documento conta com o apoio da Irmandade Muçulmana, mas a oposição secular é contra ele
EGYPT-POLITICS-REFERENDUM

Hamdeem Sabahi, um dos líderes da oposição, manifestou neste domingo 23 contrariedade à nova Constituição. Foto: Mahmud Hams / AFP

Quase dois terços dos eleitores egípcios aprovaram a nova Constituição criticada por seu tom islâmico, segundo resultados de um referendo, precedido por manifestações e contestado pela oposição, que denuncia fraudes. Os resultados oficiais são esperados para segunda-feira. Mas a Irmandade Mulçumana do presidente Mohamed Morsi e a imprensa oficial indicaram que 64% dos eleitores aprovaram a Constituição proposta pelos islamitas nas duas fases do referendo, em 15 e 22 de dezembro.

Segundo os islamitas, a taxa de participação foi de 32%. "O povo egípcio continua a sua marcha para a conclusão da construção de um Estado democrático moderno, após ter virado a página da opressão", festejou em uma declaração o Partido da Liberdade e Justiça (PLJ), o braço político da Irmandade Muçulmana.

As eleições legislativas devem ser realizadas dentro de dois meses após a aprovação da Constituição. "Nós estendemos as mãos a todos os partidos políticos e todas as forças nacionais para desenhar os contornos do futuro e espero que todos possam começar uma nova página", disse ele em sua conta no Twitter o presidente do PLJ, Saad el-Katatni.

Mas a Frente de Salvação Nacional (FSN), principal coalizão de oposição, anunciou que contesta esses resultados, alcançados, segundo ela, "à fraude, às violações e irregularidades". A FSN "irá recorrer do resultado deste referendo" em razão das "fraudes e das violações das regras eleitorais", declarou um dos principais líderes do FSN, Hamdeen Sabbahi. Várias queixas já foram depositadas na justiça.

"Nossa luta é pacífica, queremos derrubar uma Constituição inválida marcada por irregularidades e uma fraca taxa de participação", declarou outro opositor, Amr Hamzawv. A Frente acrescenta em um comunicado que este referendo "não é o fim do caminho", mas "apenas uma batalha" na luta contra o poder do presidente Morsi.

O movimento de oposição composto principalmente por grupos liberais e de esquerda consideram que o texto da Constituição abre caminho para interpretações rigorosas do Islã e oferece poucas garantias para certas liberdades. A Frente tentou pressionar Morsi com manifestações em massa, antes de lançar uma campanha feroz, mas de última hora, em favor do "não".

A divisão do país em duas zonas de votação foi decidida a fim de lidar com o possível boicote de muitos juízes encarregados de supervisionar a eleição, que estão em conflito com o presidente Morsi, acusado de minar a independência do poder Judiciário.

Os resultados não oficiais são baseados em números fornecidos por mesários. A Comissão Eleitoral deverá anunciar os resultados na segunda-feira, de acordo com o jornal estatal Al-Ahram.

A imprensa egípcia refletiu neste domingo a divisão do país. "O Egito se dirige para a estabilidade", foi a manchete do jornal governamental Al-Akhbar, enquanto o independente Al-Masri Al-Yom denunciou as "Violações em massa". Na véspera da segunda fase do referendo, confrontos irromperam novamente em Alexandria (norte) entre opositores e defensores da Constituição, que resultaram em mais de 60 feridos.

No início de dezembro, oito pessoas morreram e centenas ficaram feridas em confrontos perto do palácio presidencial, no Cairo.

O vice-presidente de Morsi, Mahmoud Mekki, cuja função não é mencionada na nova Constituição, anunciou sua renúncia no sábado, justificando que deixaria o cargo em novembro, mas que foi forçado a adiar devido à crise política. Sábado à noite, a televisão estatal anunciou e, em seguida, desmentiu a demissão, sem dar qualquer razão, do diretor do Banco Central.

Uma vez ratificada a Constituição, o Senado dominado por islamitas recuperará o poder Legislativo até a eleição de uma nova Assembleia. A antiga, onde os islâmicos também eram maioria, foi dissolvida em junho.

Leia mais em AFP Movil.

registrado em: ,