Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Comovida, Venezuela se despede de Hugo Chávez

Internacional

Venezuela

Comovida, Venezuela se despede de Hugo Chávez

por AFP — publicado 07/03/2013 10h16, última modificação 06/06/2015 18h23
Milhares de pessoas acompanharam o cortejo com o corpo de Chávez e participam de funeral. Enterro será na manhã de sexta-feira

O corpo do presidente Hugo Chávez, morto na terça-feira 5 após quase dois anos de luta contra o câncer, era velado na noite desta quarta-feira na câmara-ardente do Salão de Honra da Academia Militar de Caracas, por onde passam milhares de venezuelanos. O velório foi iniciado por numerosas personalidades, entre elas o presidente interino, Nicolás Maduro, e os líderes de Argentina, Cristina Kirchner, Uruguai, José Mujica, e Bolívia, Evo Morales, antes da abertura da câmara-ardente ao público.

Kirchner, Mujica e Morales se aproximaram do caixão e escutaram o hino nacional da Venezuela. Em seguida, Maduro, o presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, e representantes de outros poderes do Estado se posicionaram diante do caixão, momentos antes da chegada de Rosa Virgina, María Gabriela, Hugo e Rosa Inés, filhos de Chávez, e da neta Gabriela Rivero. Posteriormente, chegaram Elena Frías, mãe do presidente, e os irmãos Adán (governador de Barinas), Argenis, Narciso, Aníbal e Adelys.

Ao final de uma cerimônia religiosa restrita a parentes e personalidades, a câmara foi aberta ao público, que formou um longo cortejo em torno da Academia Militar para dar o último adeus a Hugo Chávez. A câmara ficará aberta 24 horas a visitação do público até a manhã de sexta-feira. O caixão com os restos mortais de Chávez chegou no final da tarde à Academia Militar de Caracas, considerada seu segundo lar e berço da vocação política do 'comandante'.

Acompanhado por familiares, funcionários, líderes políticos e milhares de seguidores mergulhados na tristeza, o corpo de Chávez cruzou os portões da Academia Militar após sete horas de cortejo pelas ruas de Caracas. Os militares retiraram o caixão do carro fúnebre entre aplausos e gritos de "Viva Chávez" da multidão.

Segundos depois, o caixão foi carregado nos ombros de vários colaboradores, entre eles o ministro dos Esportes, Héctor Rodriguez. Chávez será enterrado na sexta-feira, diante de vários dirigentes estrangeiros, às 10H00 local (11H30 de Brasília). Uma imensa maré humana acompanhou o cortejo fúnebre entre o hospital militar e a Academia, seguindo o caixão coberto com a bandeira venezuelana e transportado em um carro ornamentado com flores brancas e amarelas.

"Até a vitória sempre, comandante, te amamos!" - gritavam entre lágrimas centenas de milhares de pessoas, pedindo que Chávez seja sepultado no Panteão Nacional, ao lado do Libertador Simón Bolívar. "Isto é a história. Passarão 100 anos até surgir outro líder assim", disse entre soluços à AFP Luz Mayel, 38 anos, de origem colombiana.

Na saída do hospital militar, onde Chávez faleceu aos 58 anos após quase dois anos de luta contra o câncer, Elena Frías, mãe do 'comandante', chorava desconsolada, enquanto um capelão militar dirigia uma breve oração.

Vestido com um agasalho esportivo com as cores da Venezuela, o vice-presidente Nicolás Maduro, designado herdeiro político de Chávez e presidente interino do país, caminhou diante do carro fúnebre ao lado do presidente boliviano, Evo Morales, ministros e líderes políticos, como o presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello.

"Maduro já é o nosso presidente. Chávez queria isto e votaremos nele quando as eleições chegarem", disse Margarita Martínez, 37 anos. "Nicolás não é nenhum improvisado. Chávez era um homem de visão (...) e preparou Nicolás para assumir o poder. O povo vai apoiá-lo", destacou Virginia Calderóan, 45 anos, na porta da Academia Militar.

Durante o cortejo, uma gravação do hino da Venezuela com a voz de Chávez foi acompanhado com emoção por todos os presentes. Centenares de pessoas, muitas vestidas com camisetas vermelhas, a cor do 'chavismo', tentaram se aproximar do carro fúnebre.

O chanceler Elías Jaua informou que uma capela fúnebre foi projetada para permitir que o maior número possível de pessoas possam ver seu "pai, seu libertador, seu protetor". Sete países latino-americanos decretaram luto nacional, entre eles o Brasil, Argentina, Chile e Cuba. Jaua revelou que o país amanheceu calmo e disse que 10 chefes de Estado confirmaram presença no funeral. Vários devem chegar ao país na quinta-feira.

Chávez, que assumiu a presidência em 1999, havia retornado de Havana em 18 de fevereiro, mas não foi visto nem ouvido, depois de ter passado por uma cirurgia em 11 de dezembro, a quarta desde o diagnóstico de câncer, cuja natureza e detalhes nunca foram oficialmente divulgados.

Jaua informou na terça-feira que Maduro assumiu a presidência temporária até a convocação das eleições, cuja data será anunciada em breve pelo governo. Maduro, de 50 anos, será o candidato governista nas eleições que devem acontecer em um prazo de 30 dias, como determina a Constituição, provavelmente contra o líder opositor Henrique Capriles, de 40 anos.

Leia mais em AFP