Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Com novas eleições, ataque de Israel ao Irã fica mais distante. Por enquanto

Internacional

Com novas eleições, ataque de Israel ao Irã fica mais distante. Por enquanto

por José Antonio Lima publicado 30/04/2012 18h48, última modificação 06/06/2015 18h58
Pressionado pelas críticas de militares e da Inteligência e diante de uma nova eleição, o governo Netanyahu deve dar uma chance à diplomacia
Netanyahu_Sara

Ao lado da mulher, Sara, Netanyahu acompanha o funeral de seu pai, Benzion, que morreu nesta segunda-feira 30, aos 102 anos

Em apenas alguns dias, uma conjunção de fatores reduziu drasticamente a probabilidade de Israel lançar um ataque contra o Irã por ora. Se antes o mundo via com apreensão o discurso cada vez mais belicoso do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, agora a comunidade internacional acompanha com atenção a pressão política sobre ele para que a crise originada pelo programa nuclear iraniano seja resolvida por meios diplomáticos. Aparentemente, a solução pacífica ganhou uma janela de alguns meses antes de Netanyahu voltar a falar abertamente sobre destruir as instalações nucleares do Irã.

Netanyahu está sofrendo uma dupla pressão. A primeira é das comunidades militar e de Inteligência de Israel. Os dois grupos escancararam um raro momento de divisão interna no país a respeito do que fazer diante de um inimigo externo, no caso, o Irã. Na semana passada, Yuval Diskin, o ex-chefe do Shin Bet, o serviço de segurança interna de Israel, fez duros ataques a Netanyahu e a seu ministro da Defesa, Ehud Barak. Diskin classificou a liderança dos dois de “messiânica” e disse não acreditar que ambos poderiam comandar o país em uma guerra. No fim de semana, Meir Dagan, ex-chefe do Mossad, a Inteligência externa de Israel, manifestou apoio a Diskin. Depois, o chefe do Exército de Israel, Benny Gantz, foi a público dizer que o governo do Irã era “racional” e não meramente lunático, como defende Netanyahu. Nesta segunda-feira 30, o ex-primeiro-ministro de Israel Ehud Olmert seguiu a linha dos três. Em entrevista à rede de TV americana CNN, disse não acreditar que o Irã tenha ultrapassado seus limites. “Eu sei de uma coisa. A liderança do Irã não atravessou uma determinada linha até aqui para desenvolver seu programa nuclear”, disse. “Isso significa que eles estão ao menos calculando seus próximos passos e estão atentos às possíveis ramificações do que fazem.”

A segunda pressão sobre Netanyahu é eleitoral. Neste fim de semana, ele admitiu a possibilidade de antecipar as eleições, atualmente marcadas para outubro de 2013. Isso deve ocorrer por conta de uma divisão em sua coalizão a respeito do destino da chamada Lei Tal. Essa lei, que libera os judeus ortodoxos do serviço militar, obrigatório em Israel para homens (três anos) e mulheres (dois anos), foi considerada ilegal pela Suprema Corte de Israel e não valerá mais a partir de agosto. Netanyahu prometeu mandar ao Parlamento uma lei “mais justa”, que aborde não apenas a situação dos religiosos, mas também a dos árabes israelenses, atualmente isentos do serviço militar. A coalizão de direita e extrema-direita de Netanyahu tem opiniões divergentes sobre o tema. O ministro do Exterior, Avigdor Lieberman, é o artífice da campanha pelo fim da coalizão e por novas eleições. Lieberman quer ver os ortodoxos servindo o Exército, mas não aceita os árabes israelenses nas Forças Armadas. Por trás disso, está a esperança de Lieberman de ver seu partido, o Yisrael Beitenu, superar o Likud (de Netanyahu) nas urnas e assumir a liderança da coalizão.

Juntos, esses dois fatores – as pressões militar e eleitoral sobre Netanyahu – reduzem a possibilidade de um ataque ao Irã ser realizado agora. Ao criticar Netanyahu e mostrar que há uma solução pacífica para a crise com o Irã, os militares e a Inteligência de Israel elevam o preço político de uma ação militar. Soma-se a isso a pressão dos eleitores israelenses. A sociedade civil em Israel é mobilizada e vai desejar entender exatamente os custos e os benefícios de um ataque ao Irã. Antes de votar, o israelense comum vai se perguntar por que um primeiro-ministro, sob críticas de militares e da Inteligência, vai jogar o país em uma guerra cuja porta de saída é desconhecida. Sabendo disso, é muito provável que Netanyahu abandone momentaneamente sua retórica belicosa e dê uma chance às negociações que Alemanha, China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia mantêm com o Irã atualmente.

Este cenário, entretanto, não é duradouro. Nesta segunda-feira 30, diversos partidos israelenses aceitaram a possibilidade eleições antecipadas, para outubro deste ano ou mesmo para julho. Apesar da ânsia de poder de Lieberman, pesquisas feitas pelos jornais israelenses The Jerusalem Post e Haaretz apontam vitória do Likud nas eleições, com um número de cadeiras no Parlamento pelo menos duas vezes maior que o do segundo colocado. Se esse resultado se concretizar, o governo a emergir das novas eleições terá um Benjamin Netanyahu ainda mais forte como líder. Se até lá as negociações com o Irã não estiverem concluídas, Netanyahu estará em uma posição ainda melhor para retomar os ataques verbais ao Irã e, quem sabe, iniciar a guerra que parece tanto desejar.

registrado em: