Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Chávez quer transferir recursos das reservas para o Brasil

Internacional

Venezuela

Chávez quer transferir recursos das reservas para o Brasil

por Agência Brasil publicado 17/08/2011 14h26, última modificação 17/08/2011 20h47
China e Rússia também são possíveis destinos do dinheiro hoje depositado na Europa e nos Estados Unidos, segundo a oposição

Da Agência Lusa

Brasília - O governo do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, estuda a possibilidade de transferir as reservas internacionais – que mantém na Europa e nos Estados Unidos – para bancos da China, da Rússia e do Brasil, segundo documento distribuído pela oposição no país. A informação foi divulgada pelo deputado oposicionista Júlio Montoya.

Segundo Montoya, é necessário que Chávez esclareça se a China e a Rússia exigiram o depósito das reservas internacionais considerando “o endividamento da Venezuela”. O documento de 12 páginas, é atribuído ao ministro de Planejamento e Finanças da Venezuela, Jorge Giordani, e ao presidente do Banco Central do país, Nelson Merentes.

Segundo a cópia entregue à imprensa, as reservas internacionais eram US$ 29.097 milhões (as mais baixas desde 2005)  e incluem US$ 18.294 milhões, mais 365,72 toneladas em ouro e US$ 6.285 milhões em reservas líquidas.

De acordo com o documento, no entanto, são necessárias ainda 27,7% das reservas operacionais que estão investidas em dólares norte-americanos e o valor restante em euros e libras esterlinas, por meio de instrumentos negociáveis, como depósitos a prazo.

A maior parte das reservas, 59,17 %, está depositada na Suíça, 18% no Banco da Inglaterra, 11,31% nos Estados Unidos, 6,48% na França, 0,68% na Alemanha e 0,67% no Panamá. As reservas restantes, 3,79%, estão depositadas no Banco Central da Venezuela. A maior parte do ouro venezuelano, 211,35 toneladas, está fora do país - quase 100 toneladas no Banco da Inglaterra.

Segundo o documento, o governo venezuelano pretende transferir ainda algumas das suas reservas para países asiáticos e da América Latina. Porém, conforme o texto, essas regiões “não se classificam como depositárias de reservas”.

O documento alerta que “toda a operação eletrônica sobre o uso do dólar norte-americano como sistema de pagamento [câmara de compensação] deve ser do conhecimento da Reserva Federal [dos Estados Unidos] que pode ter ingerência sobre o destino e propósito, podendo congelar recursos em dólares”.

*Matéria originalmente publicada em Agência Brasil

registrado em: