Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Capriles diz ter provas que justificam impugnação da eleição

Internacional

Venezuela

Capriles diz ter provas que justificam impugnação da eleição

por Agência Brasil publicado 03/05/2013 12h34, última modificação 03/05/2013 12h46
Candidato derrotado falou que foram registrados quase 200 mil votos de pessoas que já morreram e mais de 21 mil votos de pessoas com o mesmo nome
Capriles durante pronunciamento

Capriles durante pronunciamento nesta quinta-feira, 2 de maio

Bogotá - O candidato derrotado nas eleições da Venezuela, Henrique Capriles, detalhou algumas das denúncias que estão presentes no pedido de impugnação das eleições de 14 de abril. Em entrevista à imprensa no começo da noite desta quinta-feira 2, ele disse que há "provas suficientes" de que o resultado foi alterado.

"Nós temos conhecimento de que foram registrados quase 200 mil votos de pessoas que já morreram e mais de 21 mil votos de pessoas com o mesmo nome", declarou Capriles, mencionando que as provas sobre as denúncias estão no pedido apresentado hoje.

O oposicionista explicou que a análise do recurso entregue no Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) pode durar vários meses. Ao ressaltar que "três em cada quatro venezuelanos estão de acordo com a impugnação das eleições", Capriles anunciou um abaixo-assinado em apoio ao pedido que está no TSJ. Capriles também disse ter certeza de que ganharia uma nova disputa com o presidente Nicolás Maduro. "Se nós fôssemos a uma eleição no próximo domingo, eu não tenho dúvida de que ganhariamos com 60% dos votos", declarou.

Durante a entrevista, os canais estatais de rádio e televisão formaram uma cadeia nacional interrompendo a coletiva que estava sendo transmitida ao vivo pelo canal privado de televisão oposicionista Globovision. "As cadeias [de transmissão] servem para anunciar algo positivo ao país. Não devem ser convocadas à toa", ressaltou Capriles.

A trasmissão veiculou uma mesa de trabalho da Executiva Nacional. Durante a reunião, o presidente Nicolás Maduro criticou o opositor e voltou a chamá-lo de "burguês fascista". "Hoje estive no governo de rua em Miranda, trabalhando em coisas que o governador do estado [Capriles] deveria estar fazendo, em vez de abandonar suas funções", declarou.

Maduro, acompanhado da primeira-dama, Cilia Flores (chamada de primeira-comandante), e de parte de sua equipe, participou da mesa em um auditório formado por uma pláteia de partidários. Em uma referência a Capriles disse que "a direita nunca mais voltará a governar este país". E rebateu as palavras do opositor sobre uma vitória eleitoral. "Se agora tivéssemos eleições, depois do que vivemos nestes últimos 15 dias, ganharíamos com 70% dos votos, não tenho dúvida disso", destacou Maduro.

registrado em: