Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Cameron promete referendo sobre permanência na UE antes do fim de 2017

Internacional

Europa

Cameron promete referendo sobre permanência na UE antes do fim de 2017

por AFP — publicado 23/01/2013 10h10, última modificação 23/01/2013 10h15
O premier britânico afirmou que se a União Europeia não fornecer elementos para enfrentar a crise e negociar um novo acordo com Londres, o Reino Unido pode votar sua saída do bloco europeu até 2017

LONDRES (AFP) - O primeiro-ministro britânico, David Cameron, prometeu nesta quarta-feira 23 organizar um referendo sobre a permanência do Reino Unido dentro da União Europeia antes do fim de 2017.

Em Londres, Cameron disse que, se for reeleito nas eleições gerais previstas para 2015, renegociará o acordo entre seu país e o bloco dos 27.

"E quando tivermos negociado este novo acordo, daremos ao povo britânico um referendo com uma opção muito simples de dentro ou fora", acrescentou em seu muito adiado discurso sobre a Europa, esperado desde o último verão no hemisfério norte.

O chefe do governo britânico informou que este referendo deve ser realizado na primeira metade da legislatura (2015-2020), ou seja, antes do fim de 2017.

A nova relação do Reino Unido com a União Europeia (UE), seu primeiro sócio comercial, deve ter o mercado único como tema central, disse o primeiro-ministro conservador, sem fornecer elementos precisos sobre o novo acordo que deseja negociar com Bruxelas.

Cameron advertiu que, se a UE não responder aos desafios derivados da crise na Eurozona, a falta de competitividade e a crescente indiferença dos cidadãos, existe o risco de que o Reino Unido se dirija "à saída da UE". "Se não enfrentarmos estes desafios, o perigo é que a Europa fracasse e que os britânicos se dirijam à saída", advertiu o líder conservador.

No entanto, afirmou que era partidário de que seu país permaneça dentro da UE. "Não sou um isolacionista", afirmou em direção aos dirigentes europeus reticentes ou inclusive hostis à renegociação do acordo. "Não só quero um melhor acordo para o Reino Unido, mas quero também um melhor acordo para a Europa", afirmou.

registrado em: