Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Câmara Penal deve investigar agressões contra defensores de direitos humanos

Internacional

Guatemala

Câmara Penal deve investigar agressões contra defensores de direitos humanos

por Adital — publicado 09/09/2010 11h44, última modificação 09/09/2010 11h44
Entre os que sofreram represália encontram-se ambientalistas, sindicalista e dirigentes campesinos

Entre os que sofreram represália encontram-se ambientalistas, sindicalista e dirigentes campesinos

 Adital- Organizações de direitos humanos solicitaram para a Câmara Penal da Corte Suprema de Justiça (CSJ), avançar na investigação de 10 casos de violações contra defensores de direitos humanos, entre ambientalistas, sindicalistas e dirigentes campesinos, que sofreram represálias por seu trabalho.

Luisa Pineda, assistente legal da Unidade de Proteção às Defensoras e Defensores de direitos humanos (UDEFEGUA), informou que o documento de petição foi entregue ao magistrado César Barrientos, presidente da Câmara; a jurista disse que existe uma impunidade de 99% nestes casos.

Entre os ativistas agredidos se encontram Yuri Melini, diretor do Centro de Ação Legal Ambiental Social (CALAS), que sofreu um atentado em 4 de setembro de 2008, que quase lhe custou a vida.

Pessoal da organização Segurança em Democracia (SEDEM) e sua diretora, Iduvina Hernández, sofreram ameaças de morte; em San Juan Cotzal, Quiché, integrantes da Equipe de Estudos Comunitários e Ação Psicossocial (ECAP) foram vítimas de tortura por parte de agentes da Polícia Municipal, por terem gravado o linchamento de um oficial em San Juan Cotzal, Quiché, disse Pineda.

A entrevistada indicou que as entidades também solicitam que se reativem casos como o do líder campesino Israel Carías Ortiz, que foi assassinato junto a seus filhos, em 6 de fevereiro de 2007, em Zacapa; os autores materiais já foram condenados, mas, ainda falta que se deduza quem foi o autor intelectual do ato.

Segundo Pineda, Delfina Vicente Yac, sindicalista e empregada da montadora SAE International, onde se defende os direitos trabalhistas de trabalhadoras e trabalhadores, sofreu ameaças de morte como pressão para que abandonasse o sindicato.

registrado em: