Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Câmara dos EUA adota orçamento e desafia Obama e o Senado

Internacional

Estados Unidos

Câmara dos EUA adota orçamento e desafia Obama e o Senado

por Redação — publicado 30/09/2013 08h28
O projeto autoriza gastos do governo, mas adia a aplicação do chamado "Obamacare" e cria impasse em Washington

A Câmara de Representantes dos Estados Unidos aprovou no domingo 29 um projeto de lei de orçamento provisório considerado inaceitável pelo governo, faltando dois dias para evitar um fechamento do Estado. A maioria republicana na Câmara Baixa aprovou um projeto para financiar o Estado até 15 de dezembro, mas incluiu emendas adiando por um ano a implementação do chamado "Obamacare", a reforma da saúde promovida pelo governo de Barack Obama e abolindo um imposto sobre os equipamentos médicos criado pela reforma.

O texto aprovado pelos representantes altera o que havia sido votado pela maioria democrata do Senado na sexta-feira. "A Câmara voltou a adotar um plano que reflete o desejo dos norte-americanos de manter a operacionalidade do governo e colocar um freio à lei da saúde impulsionada pelo presidente", disse o líder republicano da Câmara dos Representantes, John Boehner. "Cabe ao Senado adotar este texto sem demoras para impedir o fechamento do Estado", acrescentou.

O projeto, que devido às suas modificações deve retornar ao Senado, será rejeitado, segundo o líder democrata Harry Reid. "Amanhã (segunda-feira), o Senado fará exatamente o que deve fazer e rejeitará estas medidas", disse neste domingo o porta-voz de Reid, Adam Jentleson. A Casa Branca também já anunciou que Obama vetaria o texto da Câmara Baixa caso fosse aprovado.

As duas casas do Congresso têm até meia-noite de segunda-feira, quando termina o ano fiscal de 2013, para chegar a um acordo sobre o texto. Caso isso não aconteça, milhares de funcionários públicos seriam afetados, recebendo licenças não-remuneradas, parques e museus nacionais fechariam suas portas e as diversas administrações funcionariam com o mínimo de pessoal.

Seria a primeira paralisia do Estado desde janeiro de 1996, quando o democrata Bill Clinton presidia o país.

Entrevistado este domingo pela rede ABC, o ex-presidente recomendou a Obama "não negociar com os cortes dos gastos" que seus rivais republicanos querem que seja aplicado. Para ele, "isso tiraria o pão da boca dos trabalhadores de baixa renda, enquanto seriam mantidos os subsídios aos agricultores de alta renda".

"Em um certo momento, é preciso saber dizer 'não' e ter esperança de que exista uma base para um acordo", destacou Clinton.

Já o senador Rand Paul, do movimento ultraconservador Tea Party, afirmou à CBS este domingo que "o presidente (Obama) é que está disposto a deixar que seu governo feche se não derem tudo para o 'Obamacare'". "É um sinal de intransigência e falta de vontade e compromisso", insistiu.

Aprovada em 2010 e aprovada pela Suprema Corte de Justiça em 2012, a lei sobre a saúde, chamada "Obamacare", concede cobertura de saúde a milhões de norte-americanos.

Os republicanos se opõem à obrigação legal para todos os norte-americanos de contar com um seguro de saúde a partir do dia 1º de janeiro.

"Realmente acredito que 'Obamacare' será a primeira etapa de uma transformação quase irreversível dos Estados Unidos rumo a uma economia socialista", considerou mais cedo Trent Franks, legislador do Tea Party.

*Com informações da AFP

registrado em: ,