Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Bullying internacional

Internacional

Israel e Irã

Bullying internacional

por Redação Carta Capital — publicado 28/09/2012 14h57, última modificação 28/09/2012 17h17
As ameaças recíprocas endurecem o caminho das eleições dos EUA
Ahmadinejad

Valentões. As ameaças mútuas de Ahmadinejad e Netanyahu irritam a ONU e os EUA. Foto: Emmanuel Dunad / AFP

Como um bedel que repreende alunos briguentos, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, criticou tanto Israel quanto o Irã por suas ameaças recíprocas. Há anos, o governo de Benjamin Netanyahu ameaça Teerã com um bombardeio às suas instalações nucleares caso insista em enriquecer urânio e pressiona os EUA a endossarem a ameaça. Permitiu o uso de sua imagem na propaganda republicana e cobrou ­Barack ­Obama, que reagiu à ingratidão esnobando o líder israelense em sua última visita aos EUA.

Agora o governo do Aiatolá Khamenei e do presidente Mahmoud Ahmadinejad responde na mesma moeda. Referir-se, retoricamente, a Israel como uma “perturbação mínima que veio para o quadro desta fase histórica para ser eliminada”, como fez o presidente na segunda-feira 24, é uma coisa, ameaçar com um “ataque preventivo” caso julguem que Israel prepara uma ação militar, como fizera seu general Amir Ali Hajizadeh na véspera, é outra, mais perigosa.

Por um lado, Tel-Aviv superestima a força do seu lobby junto a Washington e sua ­capacidade de influenciar as eleições e embarca em uma aventura política que pode ser desastrosa para os próprios interesses, por mais que ganhe aplausos do seu público interno. De outro, Teerã aposta que Israel não ousará um ataque sem respaldo de Washington e provavelmente tem razão – e que a Casa Branca evitará uma ação militar no Irã enquanto este não testar de fato uma arma nuclear, premissa mais duvidosa.