Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Brasil doa US$ 20 milhões para campanhas mundiais de vacinação

Internacional

Saúde

Brasil doa US$ 20 milhões para campanhas mundiais de vacinação

por Redação Carta Capital — publicado 12/06/2011 11h26, última modificação 12/06/2011 11h26
O governo brasileiro vai doar US$ 20 milhões para a organização Aliança Global para Vacinas e Imunização

Por Renata Giraldi*

O governo brasileiro vai doar nesta segunda-feira (13), em Londres, US$ 20 milhões para a organização denominada Aliança Global para Vacinas e Imunização (cuja sigla em inglês é Gavi). A Gavi é uma iniciativa internacional, lançada há 11 anos, cujo objetivo é permitir o acesso mundial à vacinação. As ações, nos últimos 10 anos, preveniram pelo menos 5 milhões de mortes. Mas a organização calcula que cerca de 2 milhões de crianças, com menos de 5 anos, morrem em decorrência de doenças que podem ser prevenidas.

A doação do Brasil será feita durante a conferência da Gavi, que reunirá especialistas de vários países para discutir as medidas que devem ser adotadas para  aumentar as oportunidades de acesso às vacinas, fortalecer os sistemas de saúde e imunização e colocar em prática novas tecnologias de imunização.

O objetivo da conferência é garantir o cumprimento dos Objetivos do Milênio de 2015, reduzindo em dois terços o número de crianças que morrem com menos de 5 anos. Para assegurar esta meta, a Gavi calcula que serão necessários US$ 3,7 bilhões para os programas de imunização no período de 2011 a 2015.

De acordo com a organização, de uma forma geral houve progressos nos sistemas de vacinação e imunização no mundo. Porém, cerca de 2 milhões de crianças  morrem, todos os anos, de doenças que podem ser prevenidas. A maior parte das mortes ocorre em países pobres devido a problemas decorrentes de pneumonia e diarreia – responsáveis por 40% do total de mortes.

Além dos países desenvolvidos e de alguns em desenvolvimento, como o Brasil, são parceiros da Gavi a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Fundo das Nações para a Infância (Unicef) e o Banco Mundial, além de indústrias de vacinas, agências técnicas e de pesquisa e organizações não governamentais (ongs).

As informações são do Ministério das Relações Exteriores.

*Publicado originalmente pela Agência Brasil.

registrado em: