Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Avós da Praça de Maio anunciam ter encontrado 102º neto desaparecido na ditadura

Internacional

Repressão

Avós da Praça de Maio anunciam ter encontrado 102º neto desaparecido na ditadura

por Opera Mundi — publicado 20/09/2010 17h05, última modificação 20/09/2010 17h05
Com a redemocratização, entidades de direitos humanos e movimentos como as Avós lutaram para reencontrar as crianças

Por Daniella Cambaúva*

A associação das Avós da Praça anunciou nesta segunda-feira (20/9) que o neto número 102, desaparecido durante a última ditadura militar no país (1976/1983), foi encontrado.

A identidade do rapaz não foi revelada pois ele ainda está “processando a notícia do desaparecimento de seus pais”, explicou Estela Barnes de Carloto, presidente da associação, que reúne mães e avós de desaparecidos que buscam netos nascidos em prisões ou cativeiros, e que posteriormente foram adotados.

Durante a ditadura, filhos de prisioneiros políticos foram entregues ilegalmente a militares ou a simpatizantes do regime. Com a redemocratização, entidades de direitos humanos e movimentos como as Avós lutaram para reencontrar as crianças. Estima-se que 500 bebês foram adotados clandestinamente e que 30 mil pessoas desapareceram durante a regime.

O neto 102 é filho dos militantes da organização Montoneros María Graciela Tauro e Jorge Daniel Rochistein. Ele tem 32 anos, é advogado especializado em meio ambiente e trabalha para o governo federal. Quando surgiu a suspeita de que era filho de desaparecidos, fez o exame de DNA e comparou com as demais amostrar disponíveis no Banco Nacional de Dados Genéticos.

Os pais foram sequestrados em 15 de julho de 1977. Na ocasião, o parto de María Graciela foi feito na ESMA (Escola de Mecânica da Armada) uma das maiores prisões clandestinas de Buenos Aires. Após o nascimento, o bebê foi doado e, tempos depois, os pais biológicos foram assassinados. O ex-oficial da Força Aérea Juan Carlos Vázquez Sarmiento, foragido, está sendo processado por esse sequestro.

Madariaga - O último desaparecido encontrado foi Francisco Madariaga Quintela, em fevereiro deste ano. Ele é filho de Silvia Mónica Quintela, assassinada na prisão, e de Abel Pedro Madariaga, membro das Avós da Praça de Maio.

Atualmente, o governo da presidente argentina, Cristina Kirchner, tenta obrigar Marcela e Felipe Herrera de Noble a fazerem novo exame de DNA para descobrir se foram adotados ilegalmente na ditadura por Ernestina Herrera de Noble, principal acionista do Grupo Clarín. Os herdeiros do Clarín se recusam a realizar o exame e chegaram até a adulterar as amostras.

*Matéria originalmente publicada no Opera Mundi

registrado em: