Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Atentado em Bogotá ameaça política de distensão

Internacional

Colômbia

Atentado em Bogotá ameaça política de distensão

por Opera Mundi — publicado 12/08/2010 17h56, última modificação 17/08/2010 10h32
Para a felicidade do antecessor Uribe, o atentado a capital Bogota deve acabar com o discurso moderado do novo presidente Juan Manuel Santos.
Atentado em Bogotá ameaça política de distensão

Para a felicidade do antecessor Uribe, o atentado à capital Bogotá deve acabar com o discurso moderado do novo presidente colombiano Juan Manuel Santos. Foto: Rodrigo Arangua/AFP

Para a felicidade do antecessor Uribe, o atentado à capital Bogotá deve acabar com o discurso moderado do novo presidente Juan Manuel Santos. Foto: Rodrigo Arangua/AFP

Por Breno Altman

A bomba que, na manhã dessa quinta-feira (12/8), explodiu perto dos escritórios da Rádio Caracol e da Agência Efe, na capital colombiana, pode afetar o presidente recém-empossado, Juan Manuel Santos. O discurso moderado do novo mandatário está submetido à primeira onda de pressão, para regozijo de seu antecessor, Álvaro Uribe. 


A primeira reação de Santos, mesmo sem indicar concretamente qual grupo teria sido responsável, foi definir o atentado como “terrorista”. Agiu com rapidez e determinação, aparentemente preocupado em não perder espaço para os setores extremistas do bloco conservador que o sustenta. Evidente seu desgosto com as consequências políticas da explosão em Bogotá. 

Ainda que o dedo acusatório esteja apontado, por ora subliminarmente, para as FARC ou o ELN, é questionável se essas organizações insurgentes teriam interesse em ataque dessa natureza, incomum no seu modo de operação. São raros os registros, especialmente nos últimos anos, de incursões guerrilheiras nas grandes cidades, ainda mais com o uso de carros-bomba.

Por que as FARC, que recentemente voltaram a apresentar proposta de pacificação, buscando romper seu isolamento, iriam golpear veículos de comunicação? A loucura política, é verdade, eventualmente as levaria à lógica do recrudescimento da violência com o objetivo de forçar alguma negociação. O clima de conciliação entre Santos e o presidente venezuelano, Hugo Chávez, poderia até ter agravado percepção de fraqueza, induzindo a gestos desesperados de sobrevivência. Mas essa não é a única hipótese razoável para o atentado. 

Explosivos corresponderam, nas últimas décadas, ao padrão de atuação dos cartéis da cocaína, cujas ofensivas de terror tiveram como alvo os centros urbanos, escolhidos como espaço visível para atos de vingança e batalhas entre máfias. Os grupos paramilitares, de ultra-direita, sabidamente forneciam mão de obra para essas atividades, em troca de régio financiamento. 

Não seria surpreendente se alguma dessas patotas, servindo a estratégias de confronto, tivesse se encarregado da operação terrorista sob investigação, cuidando para que a autoria fosse imputada à guerrilha.  Tal cenário seria útil para debilitar o presidente Santos, questionar seu relacionamento com a Venezuela e fortalecer os círculos mais vinculados ao enorme aparato de guerra construído por Uribe. 


Breno Altman é jornalista e diretor editorial do sítio Opera Mundi

registrado em: