Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Ascensão e queda de Santorum

Internacional

Estados Unidos

Ascensão e queda de Santorum

por Redação Carta Capital — publicado 10/04/2012 15h07, última modificação 10/04/2012 15h07
Eleições na Pensilvânia, estado do candidato favorito à disputa pela Presidência, retrata como os EUA se polarizaram nas últimas décadas
sartorum

A disputa pelo Senado na Pensilvânia

Por Celso Roma

 

Em 1977, John Heinz tomou posse como representante do estado da Pensilvânia no Senado dos EUA. Embora fosse republicano, o senador Heinz apoiou, ao longo de sua trajetória, projetos de lei para assegurar direitos aos trabalhadores e proteger o meio ambiente, além de ter rejeitado, anos depois, a política econômica do presidente George Bush. Moderado, ele obteve a aprovação dos eleitores, sendo reeleito duas vezes.

Em 1991, o senador Heinz morreu, e com ele se foi um estilo de fazer política.

 

Para preencher a vacância no Senado, o governador Bob Casey indicou um democrata radical. Harris Wofford é célebre por ter sido assistente especial do presidente John Kennedy e por defender de forma obstinada tanto os direitos civis das minorias como a reforma do sistema de saúde.

O eleitorado avalizou a indicação do governador. Na eleição especial de 1991 para o Senado, o interino Wofford derrotou Dick Thornburgh, um republicano moderado, a exemplo do falecido John Heinz. Mas Wofford permaneceu no cargo por apenas três anos.

Em 1994, ocorreu uma reviravolta na sucessão da cadeira da Pensilvânia no Senado.

Em disputa acirrada nas urnas, o candidato republicano Rick Santorum derrotou o favorito Harris Wofford, como parte do fenômeno conhecido como revolução republicana de 1994, pela qual o partido se tornou maioria nas duas casas do Congresso dos EUA.

Como membro da Câmara dos Representantes, Santorum se destacara por suas crenças conservadoras, sobretudo quanto aos direitos e deveres dos cidadãos – por exemplo ao criticar a teoria da evolução, o feminismo radical e o que denomina fascismo islâmico.

Como membro do Senado, Santorum radicalizou a doutrina conservadora do Partido Republicano. Para isso, contou com o apoio dos eleitores. Embora com pequena vantagem sobre seu adversário, ele foi reeleito em 2000. Mas, em outra virada na política, perdeu a disputa subsequente.

 

Em2006, Bob Casey Jr., filho do ex-governador que quinze anos antes nomeara Harris Wofford para substituir John Heinz, venceu Rick Santorum e retomou essa cadeira do Senado para o Partido Democrata.

Por ser menos radical que o pai e mais conciliador no relacionamento com adversários na política, o senador Casey Jr. está atraindo a desconfiança de seus eleitores e, segundo pesquisas de intenção de voto, reduziu as chances de ser reeleito neste ano.

Em 2010, o Partido Republicano reconquistou a outra cadeira do estado no Senado. O conservador Pat Toomey derrotou o moderado Arlen Specter, que foi punido nas urnas por ter trocado, em 2009, o partido Republicano pelo Democrata.

Santorum também recuperou as forças em seu berço político.

Nas primárias para definir o candidato do Partido Republicano a presidente, a serem realizadas na Pensilvânia em 24 de abril próximo, Santorum leva vantagem sobre Mitt Romney, de acordo com um levantamento do instituto Gallup.

O espaço político para os moderados foi reduzido na Pensilvânia ─ e no resto dos EUA. Os veteranos da conciliação foram substituídos pelos novatos da radicalização.

 

Celso Roma é pesquisador do INCT-Ineu (Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Estudos sobre os Estados Unidos).

registrado em: ,