Você está aqui: Página Inicial / Internacional / As ilhas flutuantes

Internacional

Lago Titicaca

As ilhas flutuantes

por Rota Inca — publicado 29/07/2010 15h28, última modificação 11/08/2010 15h36
Em Los Huros localizam-se cerca de 50 ilhas flutuantes construídas de totora

Em Los Huros  localizam-se  cerca de 50 ilhas flutuantes construídas de totora
Muito antes do escritor José Saramago pensar na Jangada de Pedra, um pedaço de continente que vagasse pelo oceano, os indígenas já viviam em ilhas flutuantes. A tradição é mantida até hoje e virou atração turística nas águas do belo Lago Titicaca, localizado a 3800 metros acima do nível do mar na fronteira entre Peru e Bolívia.

A maior cidade nas redondezas do lago é Puno, no lado peruano. Bem preparada para o turismo, tem como uma das principais atrações a região de Los Huros, onde se localizam cerca de 50 ilhas flutuantes construídas de totora, uma planta semelhante à palha fartamente encontrada no lago. Cada ilha possui casas e um certo número de famílias, além de um presidente eleito para administrar a área. A totora tem várias utilidades: o caule pode servir de alimentação, e o resto é usado para fazer casas, forrar o chão, construir barcos, e cozinhar.

Visitamos a ilha de Chumpy, na qual fomos recebidos por seu presidente Leonardo, que nos contou a história dessas curiosas vivendas flutuantes. Tudo começou em tempos imemoriais quando alguns indígenas perseguidos por outras etnias que os queriam dominar começaram a se refugiar no próprio lago, amarrando seus tradicionais barcos feitos de totora e vivendo sobre eles. Com o tempo, começou-se a desenvolver a tecnologia de juntar punhados de terra amarrados e fazê-los flutuar amarrados por palhas, com uma duração de 3 a 5 anos. Hoje já utiliza-se cordas sintéticas que permitem que as ilhas durem até 50 anos.

As ilhas possuem casas bem cobertas pela totora para suportar o rigoroso inverno andino e cozinhas de cerâmica para evitar que se pegue fogo no local. Também pode-se encontrar mirantes com dupla funcionalidade: servem para os turistas apreciarem o panorama do lago e das ilhas e também para que os presidentes que cada ilha possam se comunicar entre si e marcar reuniões.

A Ilha Chumpy tem 15 anos de existência e abriga sete famílias, que vivem basicamente do turismo e da pesca. Levou aproximadamente um ano para ser construída. Atualmente possui cerca de 3,5 metros de profundidade, que vão sendo aumentados de tempo em tempo com objetivo de alcançar os 30 metros do lago e estabelecer-se como ilha permanente e fixa. Para evitar de ser levada pelo movimento das águas, a ilha possui 5 âncoras de madeira: “Imagina se durmo no Peru e acordo do outro lado do Lago, na Bolívia, como faria se não tenho passaporte boliviano?” brinca Leonardo.

Do lado boliviano está a turística vila de Copacabana, que deu nome a famosa praia carioca. Em alguns minutos de barco se chega a Ilha do Sol, que segundo a mitologia indígena foi onde o Deus-Sol criou o primeiro soberano inca Manco Cápac e sua irmã Mama Oclla. Entre rochosas ilhas sagradas e ilhas ancestrais flutuantes, as águas azuis do Lago Titicaca são fonte riquíssima de turismo, história e cultura andina.

registrado em: