Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Após 13 anos, Timor Leste dá adeus às forças de paz

Internacional

Direitos Humanos

Após 13 anos, Timor Leste dá adeus às forças de paz

por AFP — publicado 31/12/2012 12h49, última modificação 31/12/2012 12h49
A missão, que contou com 1.500 soldados da ONU, vai recolher sua bandeira e mandar de volta para casa os seus últimos integrantes
timor

Tropas australianas acompanham funcionários da ONU que deixam o Timor Leste no aeroporto de Dili. Foto: afp.com / Valentino de Sousa

A ONU concluiu a sua missão de manutenção da paz no Timor Leste no domingo, 13 anos depois de ter chegado à nação mais nova da Ásia em meio a uma transição sangrenta para a independência.

A missão, que contou com a presença de cerca de 1.500 soldados e policiais da ONU, vai recolher sua bandeira e mandar de volta para casa os seus últimos integrantes, enquanto uma "equipe de liquidação" de 79 oficiais vai permanecer para encerrar as últimas ações das Nações Unidas.

O vice-primeiro-ministro timorense, Fernando La Sama de Araújo, expressou nesta segunda-feira à AFP a "imensa gratidão" do país pela ação dos soldados da força de paz da ONU.

Os capacetes azuis da ONU chegaram ao Timor em 1999. O país era então vítima de uma onda de violência após a vitória do "Sim" em um referendo sobre a independência.

A votação deveria, supostamente, ter encerrado 24 anos de conflito provocado pela invasão de tropas indonésias, após a saída dos colonizadores portugueses em 1975. Mais de 25% da população de Timor foi dizimada entre 1975 e 1999.

A missão começou a retirar suas tropas em outubro, quando a polícia nacional assumiu a responsabilidade pela segurança, após eleições pacíficas para presidente e para o Parlamento.

"O povo timorense e seus líderes têm demonstrado coragem e uma inabalável vontade de superar os grandes desafios que virão," indicou em um comunicado o chefe da Missão Integrada das Nações Unidas no Timor Leste (UNMIT), Finn Reske-Nielsen.

"Apesar de haver muito trabalho pela frente, este é um momento histórico que consagra um progresso já concluído."

Reske-Nielsen indicou que a retirada não marcou o final da parceria entre a ONU e o país, pois "ainda existem desafios".

"No momento em que as forças de manutenção da paz se despedem, nós esperamos que haja uma nova fase nesta relação tendo como foco o desenvolvimento social e econômico."

Analistas consideram que há poucas indicações de que possa haver uma retomada da violência a curto prazo, mas as instituições públicas, incluindo a força policial e o setor judiciário, permanecem frágeis.

Também há fortes preocupações de que a pobreza, os altos índices de desemprego entre os jovens e uma população que cresce rapidamente possam levar a um aumento da violência no futuro.

Críticos do governo destacam a forte dependência da economia timorense das reservas de petróleo e gás, que, segundo eles, beneficiam mais as populações urbanas de Timor do que os empobrecidos dos campos.

A ONU desempenhou um papel-chave no nascimento de Timor Leste, organizando a votação que encerrou 24 anos de domínio da Indonésia, que ocupou o país após a saída dos portugueses em 1975. O brutal domínio indonésio causou a morte de 183.000 pessoas - um quarto da população na época.

O processo foi concluído em 2002, quando um governo independente assumiu o poder.

As forças de paz voltaram novamente a entrar em ação em 2006, quando uma deserção em massa nas forças armadas causou conflitos entre facções militares e policiais, e a violência nas ruas deixou pelo menos 37 mortos e dezenas de milhares de deslocados.

O único episódio de violência mais grave depois disso foi a tentativa de assassinato do então presidente José Ramos-Horta em 2008.

 

*Leia mais em AFP

registrado em: