Você está aqui: Página Inicial / Internacional / Ahmadinejad exige respeito e justiça da comunidade internacional

Internacional

Irã

Ahmadinejad exige respeito e justiça da comunidade internacional

por Redação Carta Capital — publicado 24/01/2011 10h35, última modificação 24/01/2011 10h35
O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, avisou neste domingo 23 que o fim do impasse em torno do programa nuclear depende de “respeito” e de “justiça”

Por Renata Giraldi
Brasília – Depois de concluída sem avanços a primeira rodada de negociações entre representantes do Irã e da comunidade internacional, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, avisou nesse domingo (23) que o fim do impasse em torno do programa nuclear depende de “respeito” e de “justiça”. Ele não citou países nem líderes estrangeiros, mas reclamou da “arrogância” com que parte da comunidade internacional trata o Irã.

Ahmadinejad reiterou que seu país não vai recuar nos projetos nucleares que desenvolve. "Tentaram impedir a nação iraniana de obter tecnologia nuclear, mas falharam. Agora querem continuar a trajetória anterior. Mas é preciso saber que o caminho anterior não trará êxitos”, disse.

As informações são da agência estatal de notícias do Irã, a Irna. No último fim de semana, houve a primeira rodada de negociações, em Istambul, na Turquia. Participaram das conversas representantes do Irã, do P5+1 (Grã-Bretanha, China, França, Rússia, Estados Unidos e a Alemanha), do Conselho de Segurança das Nações Unidas e da União Europeia.

Em junho de 2010, o Conselho de Segurança da ONU e, unilateralmente, alguns países como os Estados Unidos, o Canadá, a Austrália, o Japão, entre outros, impuseram  sanções ao Irã.  As medidas afetam principalmente os setores da economia e do comércio exterior.

Os governos do Brasil e da Turquia tentaram atenuar as restrições ao negociar um acordo para a troca de urânio com o Irã. No entanto, a comunidade internacional levou adiante as punições.

Para vários líderes estrangeiros, o programa nuclear iraniano é suspeito de esconder uma produção de armas. Ahmadinejad e as demais autoridades do Irã negam a acusação e afirmam que o programa nuclear desenvolvido por eles tem fins pacíficos. Segundo eles, o programa nuclear tem como foco principal as atividades médicas e hospitalares.

registrado em: