Você está aqui: Página Inicial / Internacional / 'Vivendo para morrer, morrendo para viver'

Internacional

Estados Unidos

'Vivendo para morrer, morrendo para viver'

por Redação Carta Capital — publicado 21/07/2011 11h19, última modificação 21/07/2011 12h04
Texas executa atirador que matou um indiano e um paquistanês por “vingança” aos atentados de 11 de Setembro. Único sobrevivente dos disparos tentou evitar a pena capital

O estado do Texas, nos Estados Unidos, executou, na noite desta quarta-feira 20, Mark Stroman, autor de dois assassinatos por “vingança” aos ataques de 11 de Setembro.

Alegando “patriotismo”, o americano de 41 anos disse que tinha como alvo pessoas do Oriente Médio, apesar de que suas três vítimas eram do sudeste asiático – Rais Bhuiyan, nascido em Bangladesh, recebeu um disparo no rosto e ficou cego de um olho, mas sobreviveu.

O primeiro assassinato ocorreu poucos dias após os atentados terroristas, quando Stroman abriu fogo contra o paquistanês Waqar Hasan, de 46 anos, em Dallas. Uma semana depois, Bhuiyan foi alvejado e, no dia 4 de outubro, Stroman matou o indiano Vasudev Patel, de 49 anos.

Foi pela morte de Patel que o norte-americano foi condenado a morte – Stroman não foi julgado pelo assassinato da vítima paquistanesa, apesar de ter existido uma acusação formal.

A execução de Stroman foi a oitava ocorrida no Texas neste ano.

Perdão
A condenação de Stroman recebeu atenção especial pela mídia norte-americana e internacional porque o único sobrevivente de seus ataques, Rais Bhuiyan, atuou enfaticamente nos últimos meses para tentar converter a pena capital em prisão perpétua. O bengali chegou a entrar com uma ação contra o governo do Texas pela conversão da pena.

Em entrevista ao jornal The New York Times, Bhuiyan disse que sua fé islâmica o ensinou a perdoar Stroman. “O que ele fez foi por ignorância. Eu decidi que precisava fazer algo para salvar a vida daquela pessoa”. Para mostrar a ele, segue o bengali, “que matar alguém em Dallas não é uma resposta para o que aconteceu em 11 de Setembro”. Bhuiyan requisitou ao governo do Texas uma visita ao corredor da morte, para encontrar-se com Stroman, mas seu pedido foi negado.

Stroman se disse arrependido e, ao mesmo jornal nova-iorquino, classificou Bhuiyan como uma “alma inspiradora”. Quando foi julgado, ele disse que foi motivado pela morte de uma irmã no desabamento do World Trade Center. Entretanto, de acordo com o jornal britânico Guardian, os promotores do caso afirmaram que não há evidencias concretas de que isso seja verdade.

Vivendo para morrer...
Uma semana antes da execução, Stroman respondeu uma carta ao The New York Times, na qual se dizia um “verdadeiro americano... vivendo para morrer, morrendo para viver”. Ele foi morto com uma injeção letal, cujo procedimento demorou 11 minutos.

registrado em: