Você está aqui: Página Inicial / Educação / Carta Fundamental / Professor sob ameaça

Carta Fundamental

Violência na sala de aula

Professor sob ameaça

por Tory Oliveira publicado 02/09/2012 11h58, última modificação 06/06/2015 18h28
Após aumento de casos, sindicatos criam centrais de atendimento a docentes vítimas de violência física e psicológica dentro da escola
Professor sob ameaça

Após aumento de casos, sindicatos criam centrais de atendimento a docentes vítimas de violência física e psicológica dentro da escola

 

Desde fevereiro de 2011, uma funcionária do Sindicato dos Professores do Estado de Minas Gerais passa o dia ao lado do telefone. Sua missão é receber e registrar denúncias de agressão feitas por docentes. O disque-denúncia foi uma das soluções encontradas para ajudar o professor mineiro a enfrentar esse tipo de situação. “Já era do nosso conhecimento a violência no ensino público, mas as evidências de acontecimentos em escolas particulares nos preocuparam”, explica o presidente do Sinpro/MG, Marco Eliel. O assassinato do professor de Educação Física Kássio Vinícius Castro Gomes, atacado por um aluno a facadas nos corredores do centro universitário em que lecionava na capital mineira, em dezembro de 2010, também ajudou a catalisar o lançamento de uma campanha contra a violência nas escolas. De lá para cá, foram registradas 131 denúncias. Segundo Eliel, uma a cada três dias.

No Rio Grande do Sul, o Sindicato dos Professores do Ensino Privado (Sinpro/RS) criou o Núcleo de Apoio ao Professor Contra a Violência (NAP) no fim de 2007. “A razão foi o aumento do número de relatos de sofrimento”, conta Cecília Maria Martins Farias, diretora do Sinpro e coordenadora do NAP. Trata-se de uma equipe multidisciplinar responsável por oferecer assessoria psicológica e jurídica. O centro atende a cerca de 40 pessoas por ano.

Pesquisa realizada pelo sindicato gaúcho revelou que, para 37% dos entrevistados, as direções das escolas são omissas em relação à violência. Para 80% dos 440 docentes do ensino privado ouvidos, o encaminhamento é insatisfatório. Na opinião da coordenadora do NAP, são poucas as escolas privadas que enfrentam a questão. “É importante que haja momentos para falar sobre o assunto com a comunidade escolar.”

Professora universitária do Rio Grande do Sul, C. A., de 40 anos, buscou os serviços do NAP após anos de hostilidade por parte de colegas e de omissão por parte da diretoria. “Ninguém se preocupa, acham que é frescura de mulher. A gente é considerada louca”, contou emocionada a docente, que não quis se identificar. Por causa de disputas políticas dentro da universidade, C. passou a ser alvo de um grupo que assumiu seu antigo cargo. Quando resolveu registrar um boletim de ocorrência, ouviu da direção que o problema era dela. “O silêncio é a pior coisa. Sofri agressões e virei motivo de piadas.”

Aluno cliente e agressor

Professora desde os 16 anos de idade, Glaucia Teresinha Souza da Silva foi agredida por uma adolescente em 2009, em Porto Alegre. O caso aconteceu dentro de uma escola estadual, após a professora e pedagoga chamar a atenção de uma aluna de 15 anos. Ao virar de costas para procurar alguém da direção, a educadora foi agredida com socos e chutes, bateu a cabeça e desmaiou. Glaucia sofreu traumatismo craniano, ficou seis meses de licença e precisou fazer fisioterapia. Retornou para a sala de muletas. “Nunca pensei em desistir. Infelizmente isso aconteceu comigo, mas poderia ter sido com qualquer outra pessoa”, reflete a educadora de 28 anos. “O professor não pode ficar em silêncio. Infelizmente, episódios semelhantes voltaram a acontecer em outros lugares. É uma realidade com que o professor precisa lidar, mas também é necessário receber amparo.”

Há oito anos, a professora de Artes T. R. trabalhava em uma escola pública estadual de São Paulo quando foi ameaçada dentro da sala de aula. Segundo a educadora, de 54 anos, a maioria dos alunos era maior de idade, haviam cometido algum delito e cursavam o sexto e o sétimo anos em liberdade assistida. O clima na escola era pesado, agravado pelas grades e pela presença de uma policial militar no pátio.

“Um dia, vi um rapaz desconhecido passando drogas para alunos. Disse que ele era bem vindo se estivesse ali para ampliar seus conhecimentos, mas, se não, que esperasse fora dos portões.” O rapaz então veio na direção da professora e, com o dedo em riste, falou: “Olha, vou sair só porque você foi muito educada”. Mais tarde, T. soube que ele e os colegas foram presos em flagrante depois de agredir e matar uma professora na porta da escola.

Em outra ocasião, um estudante entrou no meio da aula chutando a porta e derrubando o lixo. A professora, então, pediu para que ele limpasse o que tinha feito e continuou com a exposição da matéria, para logo depois perceber que o aluno estava imitando-a diante da turma. Ela perguntou: “Você quer dar aula no meu lugar?”, e sentou-se. A atitude causou revolta. “Ele ficou muito irritado, disse que eu era folgada. Mas fiz de conta que não ouvi.” A educadora também se recorda de agressões sofridas por outros professores. “Soube de gente que teve seu pneu furado, carro riscado... Uma colega demitiu-se porque recebeu um tapa no rosto”, conta a professora, que hoje trabalha como assessora pedagógica. Segundo ela, não havia diálogo com a direção ou com a comunidade escolar: “A sensação é de impotência”.

Segundo a coordenadora do Núcleo de Apoio ao Professor contra a Violência, os relatos mais frequentes são de desconstituição da autoridade do docente, minimizados pela direção da instituição de ensino. “Conflitos existem em qualquer lugar. Na análise de Cecília Farias, a frequência da violência contra o professor é comum em instituições públicas e privadas. O que muda são as motivações. “Nas primeiras, muitas vezes é motivada por carências materiais ou afetivas”, explica. Já nas últimas, os casos acontecem muito mais por uma postura de aluno-cliente. Levantamento realizado pela Apeoesp, em 2007, entre 684 docentes da rede pública estadual de São Paulo revelou que 74% conhecem professores ameaçados na escola. Em 93% dos casos, o agressor é o aluno.

Reflexo social

A agressão ao professor não é algo isolado, mas fruto de uma relação violenta que se estabelece entre o corpo discente, entre alunos e professores, entre o sistema educacional e os estudantes ou mesmo entre a escola e a comunidade. “Essa questão é algo complexo e sistêmico”, analisa Patrícia Constantino, pesquisadora do Centro Latino Americano de Estudos de Violência e Saúde da Fiocruz.

“A escola está inserida numa sociedade que identifica a violência como forma de resolver conflitos”, afirma a doutora em Psicologia pela USP, Luciene Tognetta. Segundo a organizadora do livro É Possível Superar a Violência nas Escolas?, os conflitos nas instituições de ensino são agravados pela “terceirização” da educação dos estudantes. A família, tradicionalmente responsável pela formação moral dos alunos, já não dá conta desse processo, analisa. Já para a psicanalista e doutora em educação Roseli Cabistani, a violência é uma questão social. “A escola é testemunha e palco de um ‘sintoma social’, algo que extrapola e é uma denúncia do mal-estar na educação e na sociedade.”

Apesar de não existirem pesquisas que acompanhem a questão da violência escolar ao longo do tempo, o depoimento dos professores é de que as relações mudaram, explica a socióloga e pesquisadora do Núcleo de Estudos da Violência da USP, Caren Ruotti. “Os professores reclamam da falta de respeito dos alunos, que não veem mais neles uma figura de autoridade. E mais: nenhum aluno quer ser professor. Como vai respeitar aquela figura se o Estado não reconhece a importância do profissional?” Na análise de Caren, um caminho para a solução desses conflitos passa por um trabalho conjunto entre professores, direção, pais e comunidade escolar. “O importante é reconhecer o o problema e abrir canais para discussão".

registrado em: