Você está aqui: Página Inicial / Educação / Carta Fundamental / Eles não sabem calcular

Carta Fundamental

Entrevista

Eles não sabem calcular

por Tory Oliveira publicado 21/10/2011 13h55, última modificação 21/10/2011 13h56
O pesquisador Vitor Haase explica o que é a discalculia e diferencia esse transtorno de outras possíveis dificuldades de aprendizagem

Diante de um estádio de futebol, a maioria de nós consegue distinguir se há mais torcedores do Corinthians ou do Palmeiras nas arquibancadas. Para um discalcúlico, a tarefa é quase impossível. O termo, pouco usual, define pessoas que têm discalculia, transtorno crônico de aprendizagem da Matemática que compromete a capacidade de efetuar cálculos básicos, estimar quantidades e entender -sequências -numéricas. Apesar de atingir 6% da população, o distúrbio ainda é pouco conhecido, principalmente se comparado à dislexia. Coordenador do Laboratório de Neuropsicologia da Universidade Federal de Minas Gerais, Vitor Haase é um dos organizadores da primeira grande pesquisa sobre a discalculia no Brasil. Realizado com 1,8 mil estudantes em Belo Horizonte, o estudo procura estimar a incidência da discalculia na população brasileira e descobrir mecanismos neurológicos e genéticos que expliquem o transtorno. Nesta entrevista, o neurologista e doutor em psicologia médica explica mais sobre a discalculia e sobre outros transtornos de -aprendizagem da Matemática.

Carta Fundamental: Como surgiu o interesse em estudar a discalculia?
Vitor Haase: Os motivos são vários. É um assunto pouco estudado, mas com implicações sociais importantes. Estudos mostram que crianças com dificuldade crônica de aprendizagem em Matemática sofrem consequências do ponto de vista psicossocial, como, por exemplo, aumento de transtornos de comportamento, da ansiedade e da depressão. Além disso, do ponto de vista da pesquisa, apareceram modelos de processamento de informação muito interessantes, que permitem identificar mecanismos neuropsicológicos específicos dessa dificuldade.

CF: O que é discalculia?
VH: Também chamada de transtorno de aprendizagem da Matemática, é uma condição de dificuldade de aprendizagem crônica, persistente. Essa dificuldade não está relacionada com inteligência baixa, com experiência educacional inadequada, dificuldades emocionais primárias ou carência sociocultural. Ela é uma dificuldade intrínseca, não é relacionada com nenhum fator externo.

CF: É comum a discalculia ser confundida com dificuldade em Matemática?
VH: A discalculia precisa ser diferenciada da dificuldade de aprendizagem, que engloba um conjunto maior de indivíduos com rendimentos mais baixo, mas que não têm essas características da gravidade e da persistência no tempo. A discalculia é uma dificuldade bastante intensa.

CF: Se ela é uma dificuldade intrínseca, é causada por um distúrbio neurológico?
VH: É um problema de origem genética e uma dificuldade inerente ao indivíduo. As causas estão relacionadas com um mecanismo genético multifatorial, interagindo com fatores ambientais que desencadeiam o quadro. A discalculia é um quadro grave, que causa dificuldades nos aspectos mais básicos, como contar, conhecer tabuada, resolver -problemas aritméticos simples, noção de quantidade da grandeza das coisas. É diferente de problemas como a ansiedade matemática.

CF: O que é isso?
VH: É uma forma de fobia de testes matemáticos. É muito mais frequente, chega a atingir 20% da população. A discalculia tem uma frequência de 5% a 6%. Interessante é que a ansiedade matemática tem uma sobreposição relativamente pequena com a discalculia. O número de indivíduos com discalculia que têm ansiedade matemática não é muito grande. O contrário também: a maioria dos indivíduos com ansiedade matemática não possui um déficit grave como na discalculia. O que acontece é que as pessoas têm medo, já que a matemática é uma área complexa.

CF: Com quantos anos a discalculia costuma se manifestar?
VH: Na idade da pré-escola. A professora geralmente já percebe que a criança tem dificuldade de contar e identificar os números.

CF: A discalculia acontece por causa de um distúrbio genético que afeta uma parte do cérebro responsável pela Matemática?
VH: Isso é uma das coisas interessantes na questão da aritmética: não existe um mecanismo só. Cada região cerebral é responsável por algum tipo de função importante para a Matemática. Os fatores que interferem na aprendizagem da Matemática são três. Um é o senso numérico, acuidade que um indivíduo tem de estimar o tamanho dos conjuntos sem precisar contar.  Por exemplo, policiais olham para um estádio cheio de gente e dizem: são 60 mil pessoas. É uma habilidade de fazer estimativas com base no “olhômetro”, sem precisar contar. O indivíduo com discalculia possui dificuldade nesse senso numérico. Outras habilidades importantes são as de linguagem, algo comprometido na dislexia. Muitas crianças com dislexia também têm dificuldades com a Matemática, justamente por não conseguir lidar bem com estruturas sonoras das palavras. Então, são três os fatores cognitivos mais importantes para a Matemática: o senso numérico, as habilidades fonológicas e o terceiro fator, que é a memória de trabalho. A memória de trabalho é extremamente importante para o cálculo mental. Quando realizamos uma operação, precisamos manter os produtos e os resultados intermediários na mente para fazer essas operações. Apenas 30% das crianças com discalculia têm uma discalculia pura. Dois terços delas têm discalculia associada – com a dislexia, com dificuldades na leitura, com TDH, ou com dificuldades de concentração. Os meninos com discalculia pura são aqueles com a forma mais grave da doença. São justamente essas crianças que têm dificuldade com a noção de grandeza e de quantidade. É uma coisa muito mais incapacitante, porque na vida prática é preciso estimar o tempo que você vai levar para tomar banho, para ir de um lugar a outro, a quantidade de comida usada para fazer uma refeição...

CF: Quando a discalculia começou a ser estudada?
VH: A definição é da década de 1970 e os estudos começaram em 1980, mas somente se intensificaram a partir de 1990, quando surgiram modelos de processamento de informação que permitiram aos pesquisadores identificar esses componentes. Hoje é uma área que está crescendo muito.

CF: O senhor está coordenando o primeiro levantamento no Brasil sobre a prevalência da discalculia no País. Quais são os principais objetivos da pesquisa?
VH: Estamos coletando uma amostra representativa da discalculia na população de Belo Horizonte, em 16 escolas. O processo de avaliação é feito em duas etapas. Na primeira, é feita uma triagem, com teste de inteligência e teste de desempenho em aritmética. Já triamos pelo menos 1,8 mil crianças. Dessas, selecionamos aquelas com desempenho abaixo de 25%. Então, convidamos as crianças daquele grupo a participar da segunda fase e também convidamos outro grupo de crianças com desempenho acima do perfil de 25%, para servir de controle. Daí é feita uma entrevista e uma avaliação individual de duas ou três sessões. Depois, pegamos o material biológico – recolhemos saliva – e fazemos extração de DNA para as análises genéticas. Por meio dessa avaliação, procuramos ver os mecanismos neuropsicológicos, quais são os mecanismos cognitivos implicados na discalculia e também fazemos a genotipagem. A genotipagem é feita em dois locus. Um dos locus é o da Síndrome de Turner e o outro é o da Síndrome Velocardifacial. As duas síndromes são as mais comuns que causam dificuldade de aprendizagem da Matemática sindrômica. Também a gente faz a genotipagem de uma enzima importante para o metabolismo da dopamina, que está relacionada com várias funções, principalmente com a memória de trabalho. Agora terminamos a genotipagem de 268 crianças e começamos a fazer essas análises. O objetivo é fazer um cruzamento entre os polimorfismos genéticos e o perfil cognitivo dessas crianças.

CF: Quando o professor desconfia que o aluno possui discalculia, como ele deve proceder?
VH: Se o professor acha que a criança tem uma dificuldade que é mais grave, deve encaminhá-la para uma avaliação neuropsicológica. Uma coisa importante é – quando há uma criança com desempenho considerado insatisfatório – constatar se ela tem uma dificuldade de aprendizagem mesmo ou se o problema é de “ensinagem”. Ou seja, se o currículo- ou mesmo a atitude do professor não está sendo a mais favorável, no sentido de promover a aprendizagem daquela criança.

CF: Existe tratamento para a discalculia?
VH: A questão do tratamento é o das intervenções psicopedagógicas. Existe um componente motivacional importante que a gente tem de trabalhar com a família e com a professora. Eles geralmente têm atitudes negativas com a criança. Acham que ela é lerda, burra, malcomportada e tem pouca expectativa. Com a criança também é preciso trabalhar o aspecto motivacional, porque a dificuldade crônica de aprendizagem é extremamente desmotivante. Uma das estratégias usadas é a aprendizagem sem erro, que consiste em programar o currículo de maneira tal que a criança consiga dar conta de resolver o problema com pequeno esforço. Nesse aspecto motivacional, a gente trabalha também com técnicas de autoinstrução – ensinar o menino a ter uma atitude mais reflexiva, de monitorar seu comportamento ao resolver problemas, de checar, de ver se a solução atingida foi a correta ou não.

CF: O problema da discalculia é menos comum do que a dislexia ou ele só é menos conhecido?
VH: A frequência é mais ou menos a mesma da dislexia, em torno de 5% a 6% da população. A questão é que as pessoas, socialmente, acham que a Matemática é difícil e que é natural ter dificuldade.

CF: Ao contrário do que acontece com a leitura e a escrita...
VH: Outro dia eu estava conversando com uma professora e ela falou o seguinte: às vezes a criança está tendo dificuldade nas duas coisas. Aí a professora começa a ficar ansiosa, porque a criança não está acompanhando o currículo, e resolve trabalhar com uma coisa só. Geralmente, ela acaba privilegiando a leitura, porque as famílias se preocupam mais com que as crianças terminem o primeiro ano sabendo ler do que sabendo fazer contas...