Você está aqui: Página Inicial / Educação / Associação Nacional dos Pós-Graduandos aprova restrições da Capes para bolsas

educação

Pós-Graduação

Associação Nacional dos Pós-Graduandos aprova restrições da Capes para bolsas

por Redação Carta Capital — publicado 19/05/2011 17h15, última modificação 19/05/2011 20h56
A Associação continuará acompanhando ações futuras da Capes e concorda com pente fino nos casos de bolsistas com vínculos empregatícios

A Associação Nacional dos Pós-Graduandos (ANPG) considerou como positiva a manifestação do presidente da Capes, Jorge Almeida Guimarães, que suspendeu os cortes de bolsas de pós-graduação anunciados, dias antes, por ofício da entidade.   A associação acredita que o “pente fino” sobre casos irregulares, anunciado em entrevista dada por ele ao site da Capes, não pode ser considerada uma medida errada nem autoritária.

“O que a ANPG não admite e agiu para impedir é o cancelamento arbitrário de bolsas, ação em que obteve sucesso”, disse a associação.

Segundo a associação, a circular enviada pelo setor de programas da Capes que gerou os protestos orientava o cancelamento de todas as bolsas de quem tivesse vínculo empregatício acumulado. A medida foi suspensa graças, segundo a associação, à reação dos bolsistas de todo o país.

Dias depois de enviar a circular, o presidente da Capes disse, em entrevista publicada no site da instituição, que pessoas ainda sem orientador não podem acumular vínculo empregatício e bolsa. Isso porque, na portaria emitida em 2010 que regulamenta a questão, a permissão do vínculo é com a anuência do orientador.

Ele também afirma que Capes e o Cnpq farão levantamento das situações junto aos cursos para posterior deliberação conjunta. Há possibilidade de que a portaria seja revista, de forma a torná-la mais restritiva, ou mesmo revogada.

A ANPG interpreta que existem diversas situações em que o orientador autoriza o recebimento do benefício para quem já tinha vínculo antes; esses casos, diz a associação, não ferem a regra da portaria. “O que estiver fora deste critério - ou seja, quando o programa autoriza o vínculo e não o orientador - está realmente irregular”, afirma a associação.