Você está aqui: Página Inicial / Economia / Mantega: inflação é maior entre emergentes

Economia

"Surto Inflacionário"

Mantega: inflação é maior entre emergentes

por Agência Brasil publicado 03/05/2011 18h05, última modificação 03/05/2011 18h19
O Ministro da Fazenda reiterou que o Brasil tem conseguido manter índices inferiores aos registrados em outras nações em desenvolvimento, como Rússia e Índia

Por Daniel Lima, da Agência Brasil

O “surto de inflação” é maior nos países emergentes porque eles têm um crescimento maior do que o observado em outras nações, afirmou hoje (3) o ministro da Fazenda, Guido Mantega, durante audiência na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Ele voltou a destacar que, embora a pressão inflacionária seja maior nos países emergentes, o problema é mundial.

O ministro lembrou que a economia brasileira é uma das que mais devem crescer em 2011, ao contrário da economia mundial, que está em lenta recuperação. Ele reiterou que o governo brasileiro tem conseguido manter os índices de inflação sob controle bem mais do que outros países em desenvolvimento como a Rússia e a Índia, que acumularam taxas de 9,4% e 8,8%, respectivamente, em 12 meses, de acordo com resultado apurado em março.

Mantega afirmou que o mundo está dividido entre os países avançados, que não superaram a crise e registram baixo crescimento, alto índice de desemprego, elevado déficit público e inflação alta, e os emergentes, que têm alto crescimento, baixo desemprego e equilíbrio fiscal.

O ministro disse aos senadores que os ajustes necessários para manter o crescimento sustentável próximo de 5% passam pela consolidação fiscal com a reversão dos estímulos econômicos liberados durante a crise. Outra medida importante, segundo Mantega, é o corte de R$ 50 bilhões nos gastos públicos. Ele defendeu ainda a manutenção dos investimentos e a redução da taxa básica de juros (Selic), atualmente em 12% ao ano.

Mantega destacou ainda o déficit nominal previsto para este ano de 1,9%. “Isso deve levar a zero o déficit nominal em pouco tempo”, disse. Um dos objetivos da equipe econômica do governo é que as despesas do governo cresçam menos do que o Produto Interno Bruto (PIB).

registrado em: