Você está aqui: Página Inicial / Economia / Publicidade não pode ser elitista

Economia

Nizan Guanaes

Publicidade não pode ser elitista

por Redação Carta Capital — publicado 01/11/2011 16h50, última modificação 01/11/2011 16h50
Fundador da agência de publicidade Mais Admirada no Brasil credita à expansão do poder de compra das bases da pirâmide social os resultados do segmento
nizan

O empresário Nizan Guanaes

A África, criada há nove anos por Nizan Guanaes, foi eleita a Empresa Mais Admirada no Brasil no segmento agências de publicidade. Presente na premiação da 14ª edição da pesquisa realizada para CartaCapital, Guanaes apontou as bases que sustentam o crescimento do mercado de publicidade no Brasil.

“O crescimento se deve, entre outras coisas, ao aumento do poder de compra da sociedade em geral, principalmente das bases da pirâmide”.

Os números confirmam a análise do executivo. O mercado da publicidade cresceu 17,7% em 2010 e movimentou 39,9 bilhões de reais. E a previsão de crescimento para este ano, apesar de mais modesta, permanece com dois dígitos (10%), de acordo com o Projeto Inter-Meios.

A agência comandada por Guanaes acompanhou com atenção o aumento do poder de compra das camadas mais pobres da sociedade. “Eu fui locutor de rádio e, até pela minha formação, nunca tive uma visão elitista da publicidade. Um bom publicitário precisa saber se comunicar com todos os públicos, de A à Z”.