Você está aqui: Página Inicial / Economia / Prévia do PIB tem queda de 0,52% em fevereiro

Economia

Banco Central

Prévia do PIB tem queda de 0,52% em fevereiro

por Agência Brasil publicado 12/04/2013 10h03, última modificação 12/04/2013 10h03
Após alta em janeiro, atividade econômica apresenta o pior resultado para o mês desde 2003
C

Há perspectivas interessantes para o setor produtivo nacional e internacional: o País possui um forte mercado interno, cada vez com mais resiliência. Foto: Daniel Teixeira/AE

Por Kelly Oliveira*

Brasília – A atividade econômica apresentou queda em fevereiro, segundo dados divulgados nesta sexta-feira 12 pelo Banco Central (BC). No segundo mês do ano, o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) ajustado para o período (dessazonalizado) caiu 0,52% na comparação com janeiro deste ano.

É o pior resultado registrado pelo BC para meses de fevereiro em relação a janeiro, na série histórica iniciada em 2003. O percentual de queda (0,52%) ficou igual ao registrado em 2005, nesse mesmo tipo de comparação (fevereiro contra janeiro).

De acordo com os dados revisados e com ajuste sazonal, em janeiro deste ano, comparado com dezembro de 2012, o IBC-Br cresceu 1,43%.

Em 12 meses encerrados em fevereiro, a atividade econômica apresentou expansão de 0,87% (sem ajustes).

 

Na comparação entre fevereiro deste ano e o mesmo mês de 2012, houve crescimento de 0,44%, de acordo com o dado sem ajustes para o período, considerado o mais adequado para esse tipo de comparação.

O IBC-Br é uma forma de avaliar e tentar antecipar como será o resultado do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e divulgado trimestralmente. O acompanhamento do IBC-Br é considerado importante pelo BC para que haja maior compreensão da atividade econômica. Esse acompanhamento também contribui para as decisões do Comitê de Política Monetária (Copom), responsável por definir a taxa básica de juros, atualmente, em 7,25% ao ano.

*Publicado originalmente em Agência Brasil.

registrado em: