Você está aqui: Página Inicial / Economia / Presidente da CUT nega derrota na disputa pelo mínimo

Economia

Salário Mínimo

Presidente da CUT nega derrota na disputa pelo mínimo

por Radioagência NP — publicado 15/02/2011 10h07, última modificação 15/02/2011 11h57
A votação da proposta no plenário da Câmara deve ocorrer nesta quarta-feira 16. No entanto, os parlamentares aprovaram a criação de uma comissão especial que deverá ouvir as Centrais e o Ministério da Fazenda antes da decisão. Por Jorge Américo

Por Jorge Américo*

Lideranças do governo já dão como certo o valor do novo salário mínimo, que deverá ser fixado em R$ 545. Depois de o secretário-geral da Presidência da República, ministro Gilberto Carvalho, anunciar o encerramento das discussões com as centrais sindicais sobre o valor do reajuste, o presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Artur Henrique, afirma que a proposta inicial de R$ 580 não sofreu derrota.

“No ano que vem, vamos ter um reajuste que deve girar em torno de 13% ou 14%, dependendo de quanto for a inflação e o PIB. Vai ser o maior aumento do salário mínimo, nenhuma categoria vai ter 7% de aumento real. Nem bancário, nem metalúrgico, nem químico. Nós estamos defendendo que é possível construir uma alternativa antecipando uma parte do aumento real para este ano, descontando do ano que vem.”

A votação da proposta no plenário da Câmara deve ocorrer nesta quarta-feira 16. No entanto, os parlamentares aprovaram a criação de uma comissão especial que deverá ouvir as Centrais e o Ministério da Fazenda antes da decisão.

Henrique revela que ainda está em pauta a correção da tabela do Imposto de Renda e a política de valorização das aposentadorias maiores que o salário mínimo. Ele nega que os sindicalistas estejam rompendo o acordo firmado com o governo, prevendo um reajuste que considerasse a alteração da inflação e a variação do PIB de dois anos anteriores.

“O que queremos, mais do que isso, é garantir que em 2011 o salário mínimo também seja tratado de forma excepcional, da mesma maneira que foram tratados de forma excepcional o banco e os empresários, no momento da crise.”

*Matéria publicada originalmente na Radioagência NP

Leia também: